Fonte: Caderno B, Jornal do Brasil, 13/02/1968.

A escadaria do Teatro Municipal, ao meio-dia, é o pior lugar do mundo para uma manifestação de protesto. O sol queima os miolos dos manifestantes; litros de suor escorrem pelos degraus. No entanto, é ali que os artistas, desde ontem e até hoje à meia-noite, estão fazendo a sua greve rápida porém heróica. Artistas de teatro, principalmente, mas que contam com a solidariedade dos seus colegas do cinema e da televisão, dos artistas plásticos e dos intelectuais em geral. 

Ao pé da escadaria, Joana Fomm colhe assinaturas. Ao longo dos degraus, manifestantes ilustres empunham cartazes: Walmor Chagas e Cacilda Becker; Tônia Carreiro com aqueles olhos; Marieta Severo, Leina Krespi, Maria Pompeu, Odete Lara, Oduvaldo Vianna Filho,Teresa Aragão, Margot Baird, Paulo Autran, Tereza Raquel. São todos os artistas e dramaturgos, unidos num movimento que se desencadeou durante uma reunião que me disseram emocionante, domingo à noite, no Teatro Princesa Isabel.

Eles lutam contra a intolerância da censura oficial. Todo dia um pateta qualquer, enfia a sua pata numa peça de teatro e corta as frases que lhe parecem atentatórias à moral, aos bons costumes e à democracia. Não se passa uma tarde sem que outro pateta dê o ar de sua graça, cortando sequências inteiras de filmes. A Patetocracia não dorme em serviço.

Ultimamente, esses senhores proibiram a encenação de uma peça intitulada Senhora da boca do lixo, escrita pelo dramaturgo Jorge de Andrade, de São Paulo, e que já esteve 300 noites em cartaz num teatro de Lisboa. Dizem que o Dr. Oliveira Salazar tem estado excepcionalmente feliz, graças a este raciocínio: “Agora, quando os brasileiros disserem que Portugal é uma ditadura, responderei: ditadura é a vossa, ! Em Lisboa não tem disso não!”

Os patetocratas, no início, eram melífluos, depois se tornaram sombrios e, finalmente, alcançaram o grotesco. Proibiram, em Brasília, a encenação de Um Bonde chamado desejo, drama já visto mil vezes em palcos brasileiros e que inclusive, recentemente, foi aplaudido pela tradicional família mineira. Isto é que dá raiva: a censura oficial tem obrigação de se conduzir com um mínimo de lógica. O poder negro, do norte-americano LeRoy Jones, é outro espetáculo proibido para menores de 87 anos. O longa-metragem Cara a cara também não poderá ser visto em nossos cinemas, a menos que seu autor permita a exclusão de uma sequência inteirinha.

É por tudo isso  contra tudo isso – que os artistas estão reunidos debaixo do sol, diante do Teatro Municipal. Chamei essa greve de heróica porque só prejudica, financeiramente, os próprios grevistas. E é também generosa, porque defende o direito que todos nós queremos ter, de pensar livremente.

jose-carlos-oliveira