Tem muita gente aí que gostaria de ter um controle remoto para desligar o Brasil com um simples clique. Chega, arre! Vocês viram outro dia a pesquisa Datafolha com a meninada do vestibular: 44% deles pensam em ir embora. Dos que têm mais de 21 anos, 63%, se pudessem, davam no pé. E ainda eram capazes de fazer aquele gesto 100% nacionalista que o Collor, um privatista, publicou para todo mundo ver. É isso mesmo, a banana.

Agora vem o Lula e diz em Belo Horizonte que ser brasileiro virou uma vergonha. Como bom brasileiro, tal qual o maior de nossos patrícios, que é Deus, o Lula recomendou mais fé. Disse ele: “Comprar mais velas, rezar mais e acreditar no sobrenatural”. Duas indústrias progridem hoje entre nós: a de grades e a de velas, ou seja, queremos segurança aqui e lá em cima, no Céu.

Outro dia me deu uma bruta saudade do Henriquinho. O Henriquinho é o nome familiar do Henfil. A família dele ganhou agora na Justiça o direito a uma indenização. Ainda bem. O Henfil morreu de Aids contraída numa transfusão de sangue. Também dá vergonha, não dá? Um cara com aquela chispa genial morrer na flor dos anos. Brasileiro indignado, o Henfil tinha um senso de humor fantástico. Quando ele veio para o Rio, me confessou muito encabulado que não sabia crasear e até me pediu umas aulas. Como se eu pudesse ensinar.

Fique tranquilo, disse-lhe eu. Ninguém sabe. Os que sabiam morreram ou preferem fingir que não sabem. Pega mal e fica até feio. Nessa época, o Henfil, 20 anos, supunha que “vexame” era francês. Tinha uma dúvida sobre a pronúncia: seria “vechame” ou “vecsame’’? Resultado: como bom mineiro, riscou a palavra do seu vocabulário (o oral pelo menos). Um dia ele resolveu pronunciar “vexame” e caprichou como se fosse francês. Claro, foi um vexame. E todo mundo riu.

Muito pior do que essa história pitoresca do Henfil é essa mania de “a nível de”. Eu não aguento mais: a nível de é a mãe, xingo logo. Em 1900, o conde Afonso Celso publicou “Por que me ufano do meu país” e daí veio o ufanismo. Será que cem anos depois vamos escrever “Por que me envergonho do meu país”? Se eu “sabisse” disto, como diz a minha amiga Teresa, seis anos de idade, não tinha nascido brasileiro. Aí a Teresa para e, na dúvida, me pergunta: é “sabisse" ou “sabesse”? Tanto faz, respondo. Com o vexame que grassa no Brasil, qualquer coisa tá certa.

otto-lara-resende
x
- +
Array
(
    [@header] => Array
        (
            [content_id] => 7024
            [slug] => vergonha-e-vexame
            [image] => 
            [baseDate] => 1991-10-24
            [type_id] => CreativeWork
            [dateCreation] => 2018-07-12 13:53:52
            [creator] => 1
            [prop_name] => Vergonha e vexame
            [prop_description] => 
            [prop_text] => 

Tem muita gente aí que gostaria de ter um controle remoto para desligar o Brasil com um simples clique. Chega, arre! Vocês viram outro dia a pesquisa Datafolha com a meninada do vestibular: 44% deles pensam em ir embora. Dos que têm mais de 21 anos, 63%, se pudessem, davam no pé. E ainda eram capazes de fazer aquele gesto 100% nacionalista que o Collor, um privatista, publicou para todo mundo ver. É isso mesmo, a banana.

Agora vem o Lula e diz em Belo Horizonte que ser brasileiro virou uma vergonha. Como bom brasileiro, tal qual o maior de nossos patrícios, que é Deus, o Lula recomendou mais fé. Disse ele: “Comprar mais velas, rezar mais e acreditar no sobrenatural”. Duas indústrias progridem hoje entre nós: a de grades e a de velas, ou seja, queremos segurança aqui e lá em cima, no Céu.

Outro dia me deu uma bruta saudade do Henriquinho. O Henriquinho é o nome familiar do Henfil. A família dele ganhou agora na Justiça o direito a uma indenização. Ainda bem. O Henfil morreu de Aids contraída numa transfusão de sangue. Também dá vergonha, não dá? Um cara com aquela chispa genial morrer na flor dos anos. Brasileiro indignado, o Henfil tinha um senso de humor fantástico. Quando ele veio para o Rio, me confessou muito encabulado que não sabia crasear e até me pediu umas aulas. Como se eu pudesse ensinar.

Fique tranquilo, disse-lhe eu. Ninguém sabe. Os que sabiam morreram ou preferem fingir que não sabem. Pega mal e fica até feio. Nessa época, o Henfil, 20 anos, supunha que “vexame” era francês. Tinha uma dúvida sobre a pronúncia: seria “vechame” ou “vecsame’’? Resultado: como bom mineiro, riscou a palavra do seu vocabulário (o oral pelo menos). Um dia ele resolveu pronunciar “vexame” e caprichou como se fosse francês. Claro, foi um vexame. E todo mundo riu.

Muito pior do que essa história pitoresca do Henfil é essa mania de “a nível de”. Eu não aguento mais: a nível de é a mãe, xingo logo. Em 1900, o conde Afonso Celso publicou “Por que me ufano do meu país” e daí veio o ufanismo. Será que cem anos depois vamos escrever “Por que me envergonho do meu país”? Se eu “sabisse” disto, como diz a minha amiga Teresa, seis anos de idade, não tinha nascido brasileiro. Aí a Teresa para e, na dúvida, me pergunta: é “sabisse" ou “sabesse”? Tanto faz, respondo. Com o vexame que grassa no Brasil, qualquer coisa tá certa.

[prop_publishingPrinciples] => [prop_sameAs] => [relations] => Array ( [ImageObject] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Organization] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Periodical] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Person] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Place] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Thing] => Array ( [contents] => 3 [relations] => 3 ) [DataCatalog] => Array ( [contents] => 2 [relations] => 2 ) ) ) [dateBegin] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 54840 [content_id] => 7024 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => dateBegin [label] => 1991-10-24 ) ) [datePublished] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 54839 [content_id] => 7024 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => datePublished [label] => 24 out. 1991 ) ) [name] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 54838 [content_id] => 7024 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => name [label] => Vergonha e vexame ) ) [text] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 84232 [content_id] => 7024 [type_id] => Text [language_id] => pt [property_id] => text [label] =>

Tem muita gente aí que gostaria de ter um controle remoto para desligar o Brasil com um simples clique. Chega, arre! Vocês viram outro dia a pesquisa Datafolha com a meninada do vestibular: 44% deles pensam em ir embora. Dos que têm mais de 21 anos, 63%, se pudessem, davam no pé. E ainda eram capazes de fazer aquele gesto 100% nacionalista que o Collor, um privatista, publicou para todo mundo ver. É isso mesmo, a banana.

Agora vem o Lula e diz em Belo Horizonte que ser brasileiro virou uma vergonha. Como bom brasileiro, tal qual o maior de nossos patrícios, que é Deus, o Lula recomendou mais fé. Disse ele: “Comprar mais velas, rezar mais e acreditar no sobrenatural”. Duas indústrias progridem hoje entre nós: a de grades e a de velas, ou seja, queremos segurança aqui e lá em cima, no Céu.

Outro dia me deu uma bruta saudade do Henriquinho. O Henriquinho é o nome familiar do Henfil. A família dele ganhou agora na Justiça o direito a uma indenização. Ainda bem. O Henfil morreu de Aids contraída numa transfusão de sangue. Também dá vergonha, não dá? Um cara com aquela chispa genial morrer na flor dos anos. Brasileiro indignado, o Henfil tinha um senso de humor fantástico. Quando ele veio para o Rio, me confessou muito encabulado que não sabia crasear e até me pediu umas aulas. Como se eu pudesse ensinar.

Fique tranquilo, disse-lhe eu. Ninguém sabe. Os que sabiam morreram ou preferem fingir que não sabem. Pega mal e fica até feio. Nessa época, o Henfil, 20 anos, supunha que “vexame” era francês. Tinha uma dúvida sobre a pronúncia: seria “vechame” ou “vecsame’’? Resultado: como bom mineiro, riscou a palavra do seu vocabulário (o oral pelo menos). Um dia ele resolveu pronunciar “vexame” e caprichou como se fosse francês. Claro, foi um vexame. E todo mundo riu.

Muito pior do que essa história pitoresca do Henfil é essa mania de “a nível de”. Eu não aguento mais: a nível de é a mãe, xingo logo. Em 1900, o conde Afonso Celso publicou “Por que me ufano do meu país” e daí veio o ufanismo. Será que cem anos depois vamos escrever “Por que me envergonho do meu país”? Se eu “sabisse” disto, como diz a minha amiga Teresa, seis anos de idade, não tinha nascido brasileiro. Aí a Teresa para e, na dúvida, me pergunta: é “sabisse" ou “sabesse”? Tanto faz, respondo. Com o vexame que grassa no Brasil, qualquer coisa tá certa.

) ) [identifier] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 54837 [content_id] => 7024 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => identifier [label] => 036438 ) ) [textSearch] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 54841 [content_id] => 7024 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => textSearch [label] => 24.10.1991 Vergonha e vexame 58 feira & T RIO DE JANEIRO — Tem muita gente aí que gostaria de ter um controle remoto para desligar o Brasil com um simples clique. Chega, arre! Vocês viram outro dia a pesquisa DafaFolha com a meninada do vestibular: 44 % deles pensam em ir embora. Dos que têm mais de 21 anos, 63%, se pudessem, davam Po pé. E ainda eram capazes de fazer aquele gesto 100% nacionalista que o Collor, um privatista, publicou para todo mundo ver. E isso mesmo, a banana. Agora vem o Lula e diz em Belo Horizonte que ser brasileiro virou uma vergonha. Como bom brasileiro, tal qual o maior de nossos patrícios, que é Deus, o Lula recomendou mais fé. Disse ele: “Comprar mais velas, rezar mais e acreditar no sobrenatural”. Duas indústrias progridem hoje entre nós: a de grades e a de velas, ou seja, queremos segurança aqui é lá em cima, no Céu. Outro dia me deu uma bruta saudade do Henriquinho. O Henriquinho é o nome familiar do Henfil. A família dele ganhou agora na Justiça o direito a uma indenização. Ainda bem. O Henfil morreu de Aids contraída numa transfusão de sangue. Também dá vergonha* não dá? Um cara com aquela chispa genial morrer na flor dos anos. Brasileiro indignado, o Hçnfil tinha um senso de humor fantástico. Quando ele veio para o Rio, me confessou muito encabulado que não sabia crasear e até me pediu umas aulas. Como se eu pudesse ensinar. Fique tranquilo, disse-lhe eu. Ninguém sabe. Os que sabiam morreram ou preferem fingir que não sabem. Pega mal e fica até feio. Nessa época, o Henfil, 20 anos, supunha que “vexame” era francês. Tinha uma dúvida sobre a pronúncia: seria “vechame” ou “vecsame”? Resultado: como bom mineiro, riscou a palavra do seu vocabulário (o oral pelo menos). Um dia ele resolveu pronunciar “vexame” e caprichou como se fosse francês. Claro, foi um vexame. E todo mundo riu. Muito pior do que essa história pitoresca do Henfil é essa mania de “a nível de”. Eu não aguento mais: a nível de é a mãe, xingo logo. Em 1900, o conde Afonso Celso publicou “Por que me ufano do meu país” e daí veio o ufanismo. Será que cem anos depois vamos escrever “Por que me envergonho do meu país”? Se eu “sabisse” disto, como diz a minha amiga Teresa, seis anos de idade, não tinha nascido brasileiro. Aí a Teresa pára e, na dúvida, me pergunta: é “sabisse” ou “sabesse”? Tanto faz, respondo. Com o vexame que grassa no Brasil, qualquer coisa tá certa. ) ) [dateScheduled] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 84231 [content_id] => 7024 [type_id] => Date [language_id] => pt [property_id] => dateScheduled [label] => 2019-11-07 ) ) [author] => Array ( [Person] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23270 [content_id] => 5895 [property_id] => author [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Person [content_creator] => 1 [label] => Otto Lara Resende [name] => Otto Lara Resende [slug] => otto-lara-resende [image] => 2018-08-13/37b6218f6dbd84d15669d0c83d376d3a[800x800].jpg ) ) ) [relatedTo] => Array ( [Thing] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 38030 [content_id] => 5750 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Pensamento [name] => Pensamento [slug] => pensamento [image] => ) [1] => Array ( [relation_id] => 38029 [content_id] => 5765 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Costumes [name] => Costumes [slug] => costumes [image] => ) [2] => Array ( [relation_id] => 38028 [content_id] => 5862 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Brasil [name] => Brasil [slug] => brasil [image] => ) ) [ImageObject] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23272 [content_id] => 7025 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => 1 [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => ImageObject [content_creator] => 1 [contentUrl] => 2018-07-12/c3d886329cd39e731b850a761898f16d.jpg [width] => 2500 [height] => 3003 [label] => 036438.jpg [name] => 036438.jpg [slug] => 036438jpg [image] => 2018-07-12/ca709322acd16b977ef9602746109a23.jpg ) ) [DataCatalog] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 39690 [content_id] => 14185 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 13807 [direction] => 0 [type_id] => DataCatalog [content_creator] => 13807 [label] => favoritas [name] => favoritas [slug] => favoritas [image] => ) [1] => Array ( [relation_id] => 38223 [content_id] => 11649 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 11646 [direction] => 0 [type_id] => DataCatalog [content_creator] => 11646 [label] => Lidas [name] => Lidas [slug] => lidas [image] => ) ) [Periodical] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23271 [content_id] => 5896 [property_id] => isPartOf [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Periodical [content_creator] => 1 [label] => Folha de S.Paulo [name] => Folha de S.Paulo [slug] => folha-de-spaulo [image] => ) ) ) [locationCreated] => Array ( [Place] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23269 [content_id] => 5894 [property_id] => locationCreated [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Place [content_creator] => 1 [label] => São Paulo - SP [name] => São Paulo - SP [slug] => sao-paulo-sp [image] => ) ) ) [sourceOrganization] => Array ( [Organization] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23268 [content_id] => 5809 [property_id] => sourceOrganization [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Organization [content_creator] => 1 [label] => Instituto Moreira Salles [name] => Instituto Moreira Salles [slug] => instituto-moreira-salles [image] => ) ) ) )