Conheci numa noite de festa pelo casamento de Di Cavalcanti — felicidades, oh nubente alvinitente! — uma alta e bela moça que faz pintura.

Não lhe vi os quadros à luz do dia, nem posso julgar a sua força. Havia apenas, no salão, dois pequenos retratos a óleo feitos por ela. Eram dois autorretratos; e me contaram que desde os 14 anos essa moça se retrata.

Parece-me comovente essa história de uma pessoa sensível à própria beleza, que vai escrevendo, ao longo dos anos, a legenda, em imagens, de sua existência. Ela tem hoje 20; e não é sem emoção que um homem qualquer, que a conhece hoje, contempla a moça de 14 anos em sua própria interpretação juvenil, e se pergunta se apenas a face mudou, ou foi sua maneira de sentir a si mesma.

Tudo muda; mas nesse jogo delicado entre o olhar que vê e o olhar contemplado, e que são o mesmo olhar, a graça e o mistério da mudança não é menor que a emoção da permanência.

Ela me falou, com uma ponta de desprezo, de seu autorretrato dos 14 anos; talvez, mais tarde, volte a amá-lo. Pensei em tudo o que essa moça tem por viver e sentir, e nos reflexos que as luzes e sombras da vida irão jogando sobre as suas cores primaveris. No estranho vigor que sua mão tomará um dia para traçar um radioso momento de sua vida de mulher; na leve melancolia com que, pela primeira vez, deixará um traço branco entre os cabelos; na mão trêmula que traçará as linhas de uma velha cabeça enrugada e encanecida...

Sou um homem de mau gosto, que a moça, enlevada no encanto da própria beleza, saiba perdoar, com um sorriso, essa mesquinha sugestão de um futuro distante e frio. Isso lhe será fácil; no fundo do coração os moços não acreditam na velhice.

Quando o outono vier, sua defesa é ver seus olhos de luz menos viva com olhos mais sábios e vividos. Mas a verdade está nos momentos que ela vive, debruçada sobre o mistério da própria beleza, sentindo o fluir misterioso do tempo e do sentimento.

rubem-braga
x
- +
Array
(
    [@header] => Array
        (
            [content_id] => 10393
            [slug] => o-retrato
            [image] => 
            [baseDate] => 1952-06-14
            [type_id] => CreativeWork
            [dateCreation] => 2018-08-27 08:24:47
            [creator] => 1
            [prop_name] => O retrato
            [prop_description] => 
            [prop_text] => 

Conheci numa noite de festa pelo casamento de Di Cavalcanti — felicidades, oh nubente alvinitente! — uma alta e bela moça que faz pintura.

Não lhe vi os quadros à luz do dia, nem posso julgar a sua força. Havia apenas, no salão, dois pequenos retratos a óleo feitos por ela. Eram dois autorretratos; e me contaram que desde os 14 anos essa moça se retrata.

Parece-me comovente essa história de uma pessoa sensível à própria beleza, que vai escrevendo, ao longo dos anos, a legenda, em imagens, de sua existência. Ela tem hoje 20; e não é sem emoção que um homem qualquer, que a conhece hoje, contempla a moça de 14 anos em sua própria interpretação juvenil, e se pergunta se apenas a face mudou, ou foi sua maneira de sentir a si mesma.

Tudo muda; mas nesse jogo delicado entre o olhar que vê e o olhar contemplado, e que são o mesmo olhar, a graça e o mistério da mudança não é menor que a emoção da permanência.

Ela me falou, com uma ponta de desprezo, de seu autorretrato dos 14 anos; talvez, mais tarde, volte a amá-lo. Pensei em tudo o que essa moça tem por viver e sentir, e nos reflexos que as luzes e sombras da vida irão jogando sobre as suas cores primaveris. No estranho vigor que sua mão tomará um dia para traçar um radioso momento de sua vida de mulher; na leve melancolia com que, pela primeira vez, deixará um traço branco entre os cabelos; na mão trêmula que traçará as linhas de uma velha cabeça enrugada e encanecida...

Sou um homem de mau gosto, que a moça, enlevada no encanto da própria beleza, saiba perdoar, com um sorriso, essa mesquinha sugestão de um futuro distante e frio. Isso lhe será fácil; no fundo do coração os moços não acreditam na velhice.

Quando o outono vier, sua defesa é ver seus olhos de luz menos viva com olhos mais sábios e vividos. Mas a verdade está nos momentos que ela vive, debruçada sobre o mistério da própria beleza, sentindo o fluir misterioso do tempo e do sentimento.

[prop_publishingPrinciples] => [prop_sameAs] => http://rubi.casaruibarbosa.gov.br/handle/20.500.11997/2705 [relations] => Array ( [ImageObject] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [MediaObject] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Organization] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Periodical] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Person] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Place] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Thing] => Array ( [contents] => 3 [relations] => 3 ) ) ) [dateBegin] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 72115 [content_id] => 10393 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => dateBegin [label] => 1952-06-14 ) ) [datePublished] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 72114 [content_id] => 10393 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => datePublished [label] => 1952-06-14 ) ) [name] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 72113 [content_id] => 10393 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => name [label] => O retrato ) ) [sameAs] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 72117 [content_id] => 10393 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => sameAs [label] => http://rubi.casaruibarbosa.gov.br/handle/20.500.11997/2705 ) ) [text] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 85180 [content_id] => 10393 [type_id] => Text [language_id] => pt [property_id] => text [label] =>

Conheci numa noite de festa pelo casamento de Di Cavalcanti — felicidades, oh nubente alvinitente! — uma alta e bela moça que faz pintura.

Não lhe vi os quadros à luz do dia, nem posso julgar a sua força. Havia apenas, no salão, dois pequenos retratos a óleo feitos por ela. Eram dois autorretratos; e me contaram que desde os 14 anos essa moça se retrata.

Parece-me comovente essa história de uma pessoa sensível à própria beleza, que vai escrevendo, ao longo dos anos, a legenda, em imagens, de sua existência. Ela tem hoje 20; e não é sem emoção que um homem qualquer, que a conhece hoje, contempla a moça de 14 anos em sua própria interpretação juvenil, e se pergunta se apenas a face mudou, ou foi sua maneira de sentir a si mesma.

Tudo muda; mas nesse jogo delicado entre o olhar que vê e o olhar contemplado, e que são o mesmo olhar, a graça e o mistério da mudança não é menor que a emoção da permanência.

Ela me falou, com uma ponta de desprezo, de seu autorretrato dos 14 anos; talvez, mais tarde, volte a amá-lo. Pensei em tudo o que essa moça tem por viver e sentir, e nos reflexos que as luzes e sombras da vida irão jogando sobre as suas cores primaveris. No estranho vigor que sua mão tomará um dia para traçar um radioso momento de sua vida de mulher; na leve melancolia com que, pela primeira vez, deixará um traço branco entre os cabelos; na mão trêmula que traçará as linhas de uma velha cabeça enrugada e encanecida...

Sou um homem de mau gosto, que a moça, enlevada no encanto da própria beleza, saiba perdoar, com um sorriso, essa mesquinha sugestão de um futuro distante e frio. Isso lhe será fácil; no fundo do coração os moços não acreditam na velhice.

Quando o outono vier, sua defesa é ver seus olhos de luz menos viva com olhos mais sábios e vividos. Mas a verdade está nos momentos que ela vive, debruçada sobre o mistério da própria beleza, sentindo o fluir misterioso do tempo e do sentimento.

) ) [identifier] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 72116 [content_id] => 10393 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => identifier [label] => 20.500.11997/2705 ) ) [textSearch] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 72123 [content_id] => 10393 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => textSearch [label] => --------------------------------------------- — ---------------------------------------------------------------------------------------------- -------------------------------- -------------- 0 RETRATO 1 Conhecí, Aumav noite de ’ festa pelo casamento de Di Cavalcanti — felicidade?, oh nubente alvinitente! — uma alta e bela moça que faz pin tura. Não lhe vi os quadros ã luz .do dia, nem posâo julgar a sua fòrça. Havia apenas, no salão, dois pequenos re­ tratos a óleo feitos por ela. Eram deis auto-retratos; e me contaram que desde os 14 anos essa moça se retrata. Parece-me comovente essa história de uma pessoa sensí- vel à própria beleza, que vai escrevendo, ao longo dos a- nos, a legenda, em imagens, de sua existência. Ela tem hoje 20; e não é sem emoção que um homem qualquer, que a conhece hoje, contempla a moça de 14 anos em sua pró­ pria interpretação juvenil, e se pergunta se apenas a face mudou, ou foi sua maneira de sentir a si mesma. Tudo muda; rrias nesse jôgo RUBEM BRAGA-------- delicado entre o olhar que vê e o olhar contemplado, e que são o mesmo olhar, a graça e o mistério da mudança não é menor que a emoção da permap^ncla. Eia. me falou, ccm uma ponta de desprezo, de seu au­ to-retrato dos 14 anos; tal­ vez, mais tarde, volte a amá- lo. Pensei em tudo o que es­ sa moça tem Põr viver e sen­ tir, e nos reflexes que as lu­ zes e sombras da vida irão jogando sôbre as suas côres primaveris. No estranho vi­ gor que sua mão tomará um dia para traçar um radioso momento de sua vida de mu­ lher; na leve melancolia com que, pela primeira vez, dei­ xará um traço branco entre os cabeies; na mão trêmula que traçará as linhas de uma velha cabeça enrugada e en­ canecida . . . Sou ura homem de máu gòsto, que a moça, enleva- la no encanto da própria be- eza, saiba perdoar, com um lorriso, essa mesquinha su- testão de um futuro dislan- e e frio. Isso ihe será fácil; ,o fundo do coração os mo­ ços não acreditam na velhice. Quando o outono vier, sua defesa é ver seus olhos de luz menos viva“ com olhos mais sábios e vivides. Mas a ver­ dade está nos momentos que ela vive, debruçada sôbre o mistério da própria beleza, sentindo o fluir misterioso do tempo e do sentimento j ç / i ) ) [dateScheduled] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 85650 [content_id] => 10393 [type_id] => Date [language_id] => pt [property_id] => dateScheduled [label] => 2020-05-14 ) ) [author] => Array ( [Person] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 31501 [content_id] => 9624 [property_id] => author [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Person [content_creator] => 1 [label] => Rubem Braga [name] => Rubem Braga [slug] => rubem-braga [image] => 2018-08-13/e845f591d3690d38c53e4c8fab1ae0da[800x800].jpg ) ) ) [relatedTo] => Array ( [Thing] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 38705 [content_id] => 6595 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Velhice [name] => Velhice [slug] => velhice [image] => ) [1] => Array ( [relation_id] => 38704 [content_id] => 7134 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Juventude [name] => Juventude [slug] => juventude [image] => ) [2] => Array ( [relation_id] => 38703 [content_id] => 5876 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Arte [name] => Arte [slug] => arte [image] => ) ) [ImageObject] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 31504 [content_id] => 10394 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => ImageObject [content_creator] => 1 [contentUrl] => 2018-08-27/a44d4b0610c749aa3cccc2dbb4856580.jpeg [width] => 1737 [height] => 2279 [label] => Correio da Manhã - DE - 19521953-01.jpeg [name] => Correio da Manhã - DE - 19521953-01.jpeg [slug] => correio-da-manha-de-19521953-01jpeg [image] => 2018-08-27/e34d1c22bbaf18f1650469eee1bea407.jpeg ) ) [Periodical] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 31502 [content_id] => 5 [property_id] => isPartOf [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Periodical [content_creator] => 1 [label] => Correio da Manhã [name] => Correio da Manhã [slug] => correio-da-manha [image] => ) ) ) [locationCreated] => Array ( [Place] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 34935 [content_id] => 5817 [property_id] => locationCreated [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Place [content_creator] => 1 [label] => Rio de Janeiro - RJ [name] => Rio de Janeiro - RJ [slug] => rio-de-janeiro-rj [image] => ) ) ) [sourceOrganization] => Array ( [Organization] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 31500 [content_id] => 9623 [property_id] => sourceOrganization [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Organization [content_creator] => 1 [label] => Fundação Casa de Rui Barbosa [name] => Fundação Casa de Rui Barbosa [slug] => fundacao-casa-de-rui-barbosa [image] => ) ) ) )