Fonte: Deixa o Alfredo falar. Rio de Janeiro, Record, 1976, pp. 121-124

Eu estava num centro comercial de Copacabana e era sábado, pouco depois do meio-dia. Às tantas, comecei a ouvir uma martelação de ensurdecer. O dono de uma lojinha de sapatos para senhoras chegou-se à porta, assustado:

— Que será isso?

E saiu pelo corredor a investigar. Caminhávamos na mesma direção e logo descobrimos que o ruído vinha de uma sala fechada, um curso de ginástica. Batiam desesperadamente na porta, lá dentro — com um halteres, no mínimo.

— Que está acontecendo? — o sapateiro gritou do lado de cá.

Uma voz chorosa de mulher explicou que a porta estava trancada, ela não podia sair:

— Quede a chave? — berrou o homem.

— O professor levou — respondeu a voz.

— Que professor?

— O professor de ginástica.

— Espere, que eu vou chamar o zelador — arrematou o homem, solícito.

E se voltou para mim:

— O senhor podia fazer o favor de procurar o zelador para soltar a mulher? Não posso abandonar a minha loja sem ninguém.

Assim, ele ia tirar a castanha com a mão do gato. Não tive outro jeito senão sair à procura do zelador.

Encontrei-o à porta do prédio chupando uma tangerina. Era um pau-de-arara delicado e solícito, mas infelizmente não podia fazer nada: não tinha  a chave da sala.

Voltei ao corredor, vencendo a tentação de cair fora de uma vez, deixar que a mulher se arranjasse. A bateção recomeçara, ela parecia disposta a botar a porta abaixo:

— Abre essa porta! Pelo amor de Deus!

— Calma, minha senhora — berrei do lado de cá: — Vamos ver se a gente dá um jeito.

No corredor ia-se juntando gente, e várias sugestões eram aventadas: abrir um buraco na parede, chamar o Corpo de Bombeiros, retirá-la pela janela.

— Deve ser uma mulher forte pra chuchu.

— Eu se fosse ela aproveitava e quebrava tudo lá dentro.

Pensei em transferir a alguém mais a tarefa que o sapateiro me confiara, não encontrei ninguém que parecesse disposto a aceitar a responsabilidade: todos se limitavam a fazer comentários jocosos, estavam é se divertindo com o incidente. De súbito, me ocorreu perguntar à mulher o número do telefone do professor. Foi um custo fazê-la cantar de lá a resposta, algarismo por algarismo. Saí para a rua à procura de um telefone — tive de andar um quarteirão inteiro até uma farmácia, onde fiquei aguardando na fila. Chegou afinal a minha vez. Atendeu-me uma voz de criança, certamente filha do professor. Que ainda não havia chegado em casa, pelo que pude entender:

— Escuta, meu benzinho, diga para o papai que tem uma mulher trancada na sala lá do curso dele, está me entendendo? Repete comigo: uma mulher trancada...

Não havendo mais nada a fazer, resolvi tomar o caminho de casa — mas a curiosidade me arrastou mais uma vez até o centro comercial, para uma última olhada sem compromisso.

O interesse conquistara todo o andar, espalhava-se aos demais, ganhava a rua: gente se acotovelava diante do prédio, agora era uma multidão de verdade que acompanhava os acontecimentos:

— Por que não arrombam a porta de uma vez?

— O que é que a mulher está fazendo lá dentro?

— Dizem que ela está nua.

A palavra mágica correu logo entre a multidão: nua, uma mulher nua! e cada vez juntava mais gente, ameaçando interromper o tráfego:

— Mulher nua! Mulher nua! — gritavam os moleques.

Dois soldados da polícia militar passaram correndo, cassetete em riste, sem saber para onde se dirigir. A multidão se abriu, precavidamente. Um homem de ar decidido pedia licença e ia entrando pelo centro comercial a dentro, como quem vai resolver o problema. Devia ser algum comissário de polícia.

Era o professor, que comparecia com a chave, não sei se mercê do meu recado. Em pouco a porta do curso de ginástica se abriu e a mulher saiu, ressabiada — completamente vestida. Era baixinha e meio gorda, estava mesmo precisando de ginástica.   

fernando-sabino