Contaram-me que, no fundo do sertão de Goiás, numa localidade de cujo nome não estou certo, mas acho que é Porangatu, que fica perto do Rio de Ouro e da Serra de Santa Luzia, ao sul da Serra Azul – mas também pode ser Uruaçu, junto do Rio das Almas e da Serra do Passa Três (minha memória é traiçoeira e fraca; eu esqueço os nomes das vilas e a fisionomia dos irmãos, esqueço os mandamentos e as cartas e até a amada que amei com paixão) –, mas me contaram que em Goiás, nessa povoação de poucas almas, as casas são pobres, e os homens, pobres, e muitos são parados e doentes e indolentes, e mesmo a igreja é pequena, me contaram que ali tem – coisa bela e espantosa – um grande sino de ouro.

Lembrança de antigo esplendor, gesto de gratidão, dádiva ao Senhor de um grão-senhor – nem Chartres, nem Colônia, nem São Pedro ou Ruão, nenhuma catedral imensa com seus enormes carrilhões tem nada capaz de um som tão lindo e puro como esse sino de ouro, de ouro catado e fundido na própria terra goiana nos tempos de antigamente.

É apenas um sino, mas é de ouro. De tarde seu som vai voando em ondas mansas sobre as matas e os cerrados, e as veredas de buritis, e a melancolia do chapadão, e chega ao distante e deserto carrascal, e avança em ondas mansas sobre os campos imensos, o som do sino de ouro. E a cada um daqueles homens pobres ele dá cada dia sua ração de alegria. Eles sabem que de todos os ruídos e sons que fogem do mundo em procura de Deus – gemidos, gritos, blasfêmias, batuques, sinos, orações e o murmúrio temeroso e agônico das grandes cidades que esperam a explosão atômica e no seu próprio ventre negro parecem conter o gérmen de todas as explosões –, eles sabem que Deus, com especial delícia e alegria, ouve o som alegre do sino de ouro perdido no fundo do sertão. E então é como se cada homem, o mais pobre, o mais doente e humilde, o mais mesquinho e triste, tivesse dentro da alma um pequeno sino de ouro.

Quando vem o forasteiro de olhar aceso de ambição e propõe negócios, fala em estradas, bancos, dinheiro, obras, progresso, corrução – dizem que esses goianos olham o forasteiro com um olhar lento e indefinível sorriso e guardam um modesto silêncio. O forasteiro de voz alta e fácil não compreende: fica, diante daquele silêncio, sem saber que o goiano está quieto, ouvindo bater dentro de si, com um som de extrema pureza e alegria, seu particular sino de ouro. E o forasteiro parte, e a povoação continua pequena, humilde e mansa, mas louvando a Deus com sino de ouro. Ouro que não serve para perverter nem o homem nem a mulher, mas para louvar a Deus.

E se Deus não existe não faz mal. O ouro do sino de ouro é neste mundo o único ouro de alma pura, o ouro no ar, o ouro da alegria. Não sei se isso acontece em Porangatu, Uruaçu ou outra cidade do sertão. Mas quem me contou foi um homem velho que esteve lá; contou dizendo: “eles têm um sino de ouro e acham que vivem disso, não se importam com mais nada, nem querem mais trabalhar; fazem apenas o essencial para comer e continuar a viver, pois acham maravilhoso ter um sino de ouro”.

O homem velho me contou isso com espanto e desprezo. Mas eu contei a uma criança e nos seus olhos se lia seu pensamento: que a coisa mais bonita do mundo deve ser ouvir um sino de ouro. Com certeza é esta mesma a opinião de Deus, pois ainda que Deus não exista, ele só pode ter a mesma opinião de uma criança. Pois cada um de nós quando criança tem dentro da alma seu sino de ouro que depois, por nossa culpa e miséria e pecado e corrução, vai virando ferro e chumbo, vai virando pedra e terra, e lama e podridão.

rubem-braga
x
- +
Array
(
    [@header] => Array
        (
            [content_id] => 9879
            [slug] => o-sino-de-ouro
            [image] => 
            [baseDate] => 1951-03
            [type_id] => CreativeWork
            [dateCreation] => 2018-08-27 07:54:43
            [creator] => 1
            [prop_name] => O sino de ouro
            [prop_description] => 
            [prop_text] => 

Contaram-me que, no fundo do sertão de Goiás, numa localidade de cujo nome não estou certo, mas acho que é Porangatu, que fica perto do Rio de Ouro e da Serra de Santa Luzia, ao sul da Serra Azul – mas também pode ser Uruaçu, junto do Rio das Almas e da Serra do Passa Três (minha memória é traiçoeira e fraca; eu esqueço os nomes das vilas e a fisionomia dos irmãos, esqueço os mandamentos e as cartas e até a amada que amei com paixão) –, mas me contaram que em Goiás, nessa povoação de poucas almas, as casas são pobres, e os homens, pobres, e muitos são parados e doentes e indolentes, e mesmo a igreja é pequena, me contaram que ali tem – coisa bela e espantosa – um grande sino de ouro.

Lembrança de antigo esplendor, gesto de gratidão, dádiva ao Senhor de um grão-senhor – nem Chartres, nem Colônia, nem São Pedro ou Ruão, nenhuma catedral imensa com seus enormes carrilhões tem nada capaz de um som tão lindo e puro como esse sino de ouro, de ouro catado e fundido na própria terra goiana nos tempos de antigamente.

É apenas um sino, mas é de ouro. De tarde seu som vai voando em ondas mansas sobre as matas e os cerrados, e as veredas de buritis, e a melancolia do chapadão, e chega ao distante e deserto carrascal, e avança em ondas mansas sobre os campos imensos, o som do sino de ouro. E a cada um daqueles homens pobres ele dá cada dia sua ração de alegria. Eles sabem que de todos os ruídos e sons que fogem do mundo em procura de Deus – gemidos, gritos, blasfêmias, batuques, sinos, orações e o murmúrio temeroso e agônico das grandes cidades que esperam a explosão atômica e no seu próprio ventre negro parecem conter o gérmen de todas as explosões –, eles sabem que Deus, com especial delícia e alegria, ouve o som alegre do sino de ouro perdido no fundo do sertão. E então é como se cada homem, o mais pobre, o mais doente e humilde, o mais mesquinho e triste, tivesse dentro da alma um pequeno sino de ouro.

Quando vem o forasteiro de olhar aceso de ambição e propõe negócios, fala em estradas, bancos, dinheiro, obras, progresso, corrução – dizem que esses goianos olham o forasteiro com um olhar lento e indefinível sorriso e guardam um modesto silêncio. O forasteiro de voz alta e fácil não compreende: fica, diante daquele silêncio, sem saber que o goiano está quieto, ouvindo bater dentro de si, com um som de extrema pureza e alegria, seu particular sino de ouro. E o forasteiro parte, e a povoação continua pequena, humilde e mansa, mas louvando a Deus com sino de ouro. Ouro que não serve para perverter nem o homem nem a mulher, mas para louvar a Deus.

E se Deus não existe não faz mal. O ouro do sino de ouro é neste mundo o único ouro de alma pura, o ouro no ar, o ouro da alegria. Não sei se isso acontece em Porangatu, Uruaçu ou outra cidade do sertão. Mas quem me contou foi um homem velho que esteve lá; contou dizendo: “eles têm um sino de ouro e acham que vivem disso, não se importam com mais nada, nem querem mais trabalhar; fazem apenas o essencial para comer e continuar a viver, pois acham maravilhoso ter um sino de ouro”.

O homem velho me contou isso com espanto e desprezo. Mas eu contei a uma criança e nos seus olhos se lia seu pensamento: que a coisa mais bonita do mundo deve ser ouvir um sino de ouro. Com certeza é esta mesma a opinião de Deus, pois ainda que Deus não exista, ele só pode ter a mesma opinião de uma criança. Pois cada um de nós quando criança tem dentro da alma seu sino de ouro que depois, por nossa culpa e miséria e pecado e corrução, vai virando ferro e chumbo, vai virando pedra e terra, e lama e podridão.

[prop_publishingPrinciples] => [prop_sameAs] => http://rubi.casaruibarbosa.gov.br/handle/20.500.11997/2434 [relations] => Array ( [ImageObject] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [MediaObject] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Organization] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Periodical] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Person] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Place] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Thing] => Array ( [contents] => 2 [relations] => 2 ) [DataCatalog] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) ) ) [dateBegin] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 69288 [content_id] => 9879 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => dateBegin [label] => 1951-03 ) ) [datePublished] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 69287 [content_id] => 9879 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => datePublished [label] => 1951-03 ) ) [name] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 69286 [content_id] => 9879 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => name [label] => O sino de ouro ) ) [sameAs] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 69290 [content_id] => 9879 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => sameAs [label] => http://rubi.casaruibarbosa.gov.br/handle/20.500.11997/2434 ) ) [text] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 81476 [content_id] => 9879 [type_id] => Text [language_id] => pt [property_id] => text [label] =>

Contaram-me que, no fundo do sertão de Goiás, numa localidade de cujo nome não estou certo, mas acho que é Porangatu, que fica perto do Rio de Ouro e da Serra de Santa Luzia, ao sul da Serra Azul – mas também pode ser Uruaçu, junto do Rio das Almas e da Serra do Passa Três (minha memória é traiçoeira e fraca; eu esqueço os nomes das vilas e a fisionomia dos irmãos, esqueço os mandamentos e as cartas e até a amada que amei com paixão) –, mas me contaram que em Goiás, nessa povoação de poucas almas, as casas são pobres, e os homens, pobres, e muitos são parados e doentes e indolentes, e mesmo a igreja é pequena, me contaram que ali tem – coisa bela e espantosa – um grande sino de ouro.

Lembrança de antigo esplendor, gesto de gratidão, dádiva ao Senhor de um grão-senhor – nem Chartres, nem Colônia, nem São Pedro ou Ruão, nenhuma catedral imensa com seus enormes carrilhões tem nada capaz de um som tão lindo e puro como esse sino de ouro, de ouro catado e fundido na própria terra goiana nos tempos de antigamente.

É apenas um sino, mas é de ouro. De tarde seu som vai voando em ondas mansas sobre as matas e os cerrados, e as veredas de buritis, e a melancolia do chapadão, e chega ao distante e deserto carrascal, e avança em ondas mansas sobre os campos imensos, o som do sino de ouro. E a cada um daqueles homens pobres ele dá cada dia sua ração de alegria. Eles sabem que de todos os ruídos e sons que fogem do mundo em procura de Deus – gemidos, gritos, blasfêmias, batuques, sinos, orações e o murmúrio temeroso e agônico das grandes cidades que esperam a explosão atômica e no seu próprio ventre negro parecem conter o gérmen de todas as explosões –, eles sabem que Deus, com especial delícia e alegria, ouve o som alegre do sino de ouro perdido no fundo do sertão. E então é como se cada homem, o mais pobre, o mais doente e humilde, o mais mesquinho e triste, tivesse dentro da alma um pequeno sino de ouro.

Quando vem o forasteiro de olhar aceso de ambição e propõe negócios, fala em estradas, bancos, dinheiro, obras, progresso, corrução – dizem que esses goianos olham o forasteiro com um olhar lento e indefinível sorriso e guardam um modesto silêncio. O forasteiro de voz alta e fácil não compreende: fica, diante daquele silêncio, sem saber que o goiano está quieto, ouvindo bater dentro de si, com um som de extrema pureza e alegria, seu particular sino de ouro. E o forasteiro parte, e a povoação continua pequena, humilde e mansa, mas louvando a Deus com sino de ouro. Ouro que não serve para perverter nem o homem nem a mulher, mas para louvar a Deus.

E se Deus não existe não faz mal. O ouro do sino de ouro é neste mundo o único ouro de alma pura, o ouro no ar, o ouro da alegria. Não sei se isso acontece em Porangatu, Uruaçu ou outra cidade do sertão. Mas quem me contou foi um homem velho que esteve lá; contou dizendo: “eles têm um sino de ouro e acham que vivem disso, não se importam com mais nada, nem querem mais trabalhar; fazem apenas o essencial para comer e continuar a viver, pois acham maravilhoso ter um sino de ouro”.

O homem velho me contou isso com espanto e desprezo. Mas eu contei a uma criança e nos seus olhos se lia seu pensamento: que a coisa mais bonita do mundo deve ser ouvir um sino de ouro. Com certeza é esta mesma a opinião de Deus, pois ainda que Deus não exista, ele só pode ter a mesma opinião de uma criança. Pois cada um de nós quando criança tem dentro da alma seu sino de ouro que depois, por nossa culpa e miséria e pecado e corrução, vai virando ferro e chumbo, vai virando pedra e terra, e lama e podridão.

) ) [identifier] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 69289 [content_id] => 9879 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => identifier [label] => 20.500.11997/2434 ) ) [textSearch] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 69296 [content_id] => 9879 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => textSearch [label] => 0 SINO DE OURO CO N T A R A M -M E que no fundo do sertão de Goiás, numa localidade de cujo nome não estou certo, m as acho que é Porangatu, que fica perto do rio de Ouro e da serra de Santa Luzia, ao sul da serra A zul — mas tam bém pode ser Urua- çu, junto do rio das A lm as e da serra do Passa T rês (m inha m e­ m ória é traiçoeira e fraca; eu esqueço os nom es das vilas e a fisionom ia dos irm ãos, esqueço os m andam entos e as cartas e ; até a am ada que am ei com p ai­ x ão ), — mas me contaram que em G oiás, nessa povoação de poucas alm as, as casas são p o­ bres e os hom ens pobres, e m ui- ! tos são parados e doentes e in ­ dolentes, e mesm o a igreja é p e­ quena, me contaram que ali tem — coisa bela e espantosa — um grande sino de ouro. L em bran ça de antigo esp len ­ dor, gesto de gratidão, dádiva ao Senhor de um gran-senhor — nem C h artres, nem Colônia, nem S. Pedro ou Ruão, nenhum a ca ­ tedral im ensa com seus enorm es carrilh ões tem nada capaz de um som tão lindo e puro como êsse sino de ouro, de ouro ca- j tado e fundido na própria terra goiana nos tem pos de an tiga­ m ente. £ apenas um sino, mas é de ouro. De tarde seu som vai voan ­ do em ondas m ansas sôbre as m atas e os cerrados, e as v e re ­ das de buritis, e m elancolia do chapadão, e chega ao distante e deserto carrascal, e avança em ondas m ansas sôbre os campos imensos, o som do sino de ouro. E a cada um daqueles hom ens pobres êle dá cada dia sua ração de a legria. Êles sabem que de to­ dos os ruidos e sons que fogem do mundo em procura de Deus — gemidos, gritos, blasfêm ias, batuques, sinos, orações, e o m u r­ m úrio tem eroso e agônico das grandes cidades que esperam a Ô A ‘ M Z,Z8 „ '1. 0. Ç j explosão atóm ica e no seu pró­ prio ven tre negro parecem con­ ter o gérm en de tôdas as exp lo ­ sões — êles sabem que Deus, com especial delícia e alegria ou­ ve o som alegre do sino de ouro perdido no fundo do sertão. E então é como se cada homem, o mais pobre, o m ais doente e hu­ milde, o ruais m esquinho e tris­ te, tivesse dentro da alm a um pequeno sino de ouro. Quando vem o forasteiro de olhar aceso de am bição e p ro­ põe negócios, fa la em estradas, bancos, dinheiro, obras, p rogres­ so, corrução — dizem que êsses goianos olham o forasteiro com um olhar lento e in defin ível sor­ riso e guardam um modesto s i­ lêncio. O forasteiro de voz alta c fácil não com preende; fica d i­ ante daquele silêncio, sem saber que o goiano está quieto ou vin ­ do bater dentro d e fsi, com um som de extrem a pureza e a le ­ gria, seu p articu lar sino de ouro. E o forasteiro parte, e a povoa­ ção continua pequena, hum ilde e m ansa, m as louvando a Deus com sino de ouro. Ouro que não serve para p erverter nem o ho­ mem nem a m ulher, m as para lo u var a Deus. E se Deus não existe não faz m al. O ouro do sino de ouro é neste m undo o único ouro de alm a pura, o ouro no ar, o puro da alegria. Não sei se isso acon ­ tece em Porangatu, U ruaçu ou outra cidade do sertão. Mas quem me contou foi um hom em velho que esteve lá; contou d i­ zendo: “ êles têm um sino de ou­ ro e acham que v iv em disso, não se im portam com m ais nada, nem querem m ais trabalh ar; fa ­ zem apenas o essencial para co ­ m er e continuar a v iv er, pois acham m aravilhoso ter um sino de ouro” . O hom em velho me contou is ­ so com espanto e desprézo. M as eu contei a um a criança e nos seus olhos se lia seu pensam en­ to: que a coisa m ais bonita do mundo d eve ser ou vir um sino de ouro. Com certeza é esta m es­ ma a opinião de Deus. pois a in ­ da que Deus não exista êle só pode ter a mesm a opinião de um a criança. Pois cada um de nós quando criança tem dentro da alm a seu sino de ouro que depois, por nossa culpa e m isé­ ria e pecado e corrução, vai v i ­ rando ferro e chum bo, va i viran - de pedra e terra, e lam a e p o­ dridão. V -7 ) ) [dateScheduled] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 82341 [content_id] => 9879 [type_id] => Date [language_id] => pt [property_id] => dateScheduled [label] => 2019-07-26 ) ) [author] => Array ( [Person] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 30214 [content_id] => 9624 [property_id] => author [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Person [content_creator] => 1 [label] => Rubem Braga [name] => Rubem Braga [slug] => rubem-braga [image] => 2018-08-13/e845f591d3690d38c53e4c8fab1ae0da[800x800].jpg ) ) ) [relatedTo] => Array ( [Thing] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 36431 [content_id] => 5765 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9458 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Costumes [name] => Costumes [slug] => costumes [image] => ) [1] => Array ( [relation_id] => 36430 [content_id] => 7182 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9458 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Música [name] => Música [slug] => musica [image] => ) ) [ImageObject] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 30217 [content_id] => 9880 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => ImageObject [content_creator] => 1 [contentUrl] => 2018-08-27/18a1d7ef5d705349581d5260184e6d4a.jpeg [width] => 1657 [height] => 2229 [label] => Correio da Manhã - DE - 19501951-01.jpeg [name] => Correio da Manhã - DE - 19501951-01.jpeg [slug] => correio-da-manha-de-19501951-01jpeg [image] => 2018-08-27/62124e7c0ffa7007ecae30af8906f376.jpeg ) ) [DataCatalog] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 37407 [content_id] => 11649 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 11646 [direction] => 0 [type_id] => DataCatalog [content_creator] => 11646 [label] => Lidas [name] => Lidas [slug] => lidas [image] => ) ) [Periodical] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 30215 [content_id] => 5 [property_id] => isPartOf [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Periodical [content_creator] => 1 [label] => Correio da Manhã [name] => Correio da Manhã [slug] => correio-da-manha [image] => ) ) ) [locationCreated] => Array ( [Place] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 35185 [content_id] => 5817 [property_id] => locationCreated [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Place [content_creator] => 1 [label] => Rio de Janeiro - RJ [name] => Rio de Janeiro - RJ [slug] => rio-de-janeiro-rj [image] => ) ) ) [sourceOrganization] => Array ( [Organization] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 30213 [content_id] => 9623 [property_id] => sourceOrganization [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Organization [content_creator] => 1 [label] => Fundação Casa de Rui Barbosa [name] => Fundação Casa de Rui Barbosa [slug] => fundacao-casa-de-rui-barbosa [image] => ) ) ) )