O carioca (homem que mora no Rio) é de uma imaginação esfuziante. Ao contrário das pessoas de outras cidades, de imaginação mortiça, escravos dos usos habituais de todas as coisas, o carioca sabe empregar de maneira mais variada os mais vulgares objetos.

A buzina, por exemplo. No mundo inteiro, a buzina tem uso moderado, mesquinho e ridículo. No Rio, a buzina é um instrumento maravilhoso e através dela o carioca exerce algumas funções humanas essenciais e muitas fantasias.

O primeiro uso da buzina é naturalmente o amor. A buzina é impressionantemente útil para chamar namorada. O rapaz se põe com o seu automóvel debaixo da janela da amada, que pode ser em um 12° andar e, enquanto a moça se veste ou se penteia, começa a buzinar liricamente lá em baixo, como um pastor tocando flauta à sua pastora, ou um pombo arrulhando à sua amiga.

Se o amor é a mais poética das funções da buzina, não é a mais vigorosa. Outros sentimentos se exprimem romanticamente com a buzina e também estados d’alma encontrados diariamente na seção astrológica do prof. Mirakoff. Assim, falam as buzinas do Rio de sucessos financeiros, de irritação, de mal-estar hepático, dor nos rins, desfavorabilidades gerais, indigestão, briga com a namorada, êxitos sociais, etc. Um ouvido fino e hábil poderia distinguir essas emoções e esses sucessos ouvindo os motoristas que desfilam e buzinam pela avenida Atlântica.

Uma das funções mais primárias da buzina é econômica, isto é, antes de tudo o homem é um animal que buzina a fim de demonstrar que possui um carro. Regra geral, quão mais dispendioso é esse carro, mais delirante e agudamente buzina o seu dono. Quando uma furreca (ou lata-velha) buzina excessivamente, o Cadillac olha para ela com um desprezo que lhe põe a nu o ridículo.

A buzina tem igualmente um uso democrático. O homem que buzina está afirmando o direito de buzinar. Eu buzino e o presidente da república não tem nada com isso – eis o raciocínio dos que buzinam por motivos políticos. São na maioria partidários do brigadeiro Eduardo Gomes e pagam mensalidade na U. D. N.

Há um gênero um pouco semelhante com o precedente, são os que buzinam contra a Prefeitura. Por exemplo: o homem vai tocando por uma rua, vê um buraco, e dá uma buzinada lancinante. A buzina, neste caso, quer dizer: “O Rio nunca teve um prefeito tão desleixado”!

Um dos usos mais curiosos da buzina é puramente lúdico, ou seja, infantil. São as famosas pessoas que estão sempre de bom humor. Buzinam de brincadeira, buzinam por alegria, chegam a compor as notas mais simples de canções populares.

Não fosse alongar demais esta crônica, examinaríamos outros usos da buzina no Rio de Janeiro. Mostraríamos o lado físico da buzina, o lado gaiato, suas relações com o DASP, com a estética, apontaríamos os diversos desdobramentos filosóficos da buzina (inclusive o existencialista), diríamos da influência da buzina nos crimes inexplicáveis, estudaríamos a conexão entre a buzina e os analgésicos, etc., etc.

paulo-mendes-campos
x
- +
Array
(
    [@header] => Array
        (
            [content_id] => 7542
            [slug] => o-carioca
            [image] => 
            [baseDate] => 1952-04-17
            [type_id] => CreativeWork
            [dateCreation] => 2018-07-12 14:20:14
            [creator] => 1
            [prop_name] => O carioca...
            [prop_description] => 
            [prop_text] => 

O carioca (homem que mora no Rio) é de uma imaginação esfuziante. Ao contrário das pessoas de outras cidades, de imaginação mortiça, escravos dos usos habituais de todas as coisas, o carioca sabe empregar de maneira mais variada os mais vulgares objetos.

A buzina, por exemplo. No mundo inteiro, a buzina tem uso moderado, mesquinho e ridículo. No Rio, a buzina é um instrumento maravilhoso e através dela o carioca exerce algumas funções humanas essenciais e muitas fantasias.

O primeiro uso da buzina é naturalmente o amor. A buzina é impressionantemente útil para chamar namorada. O rapaz se põe com o seu automóvel debaixo da janela da amada, que pode ser em um 12° andar e, enquanto a moça se veste ou se penteia, começa a buzinar liricamente lá em baixo, como um pastor tocando flauta à sua pastora, ou um pombo arrulhando à sua amiga.

Se o amor é a mais poética das funções da buzina, não é a mais vigorosa. Outros sentimentos se exprimem romanticamente com a buzina e também estados d’alma encontrados diariamente na seção astrológica do prof. Mirakoff. Assim, falam as buzinas do Rio de sucessos financeiros, de irritação, de mal-estar hepático, dor nos rins, desfavorabilidades gerais, indigestão, briga com a namorada, êxitos sociais, etc. Um ouvido fino e hábil poderia distinguir essas emoções e esses sucessos ouvindo os motoristas que desfilam e buzinam pela avenida Atlântica.

Uma das funções mais primárias da buzina é econômica, isto é, antes de tudo o homem é um animal que buzina a fim de demonstrar que possui um carro. Regra geral, quão mais dispendioso é esse carro, mais delirante e agudamente buzina o seu dono. Quando uma furreca (ou lata-velha) buzina excessivamente, o Cadillac olha para ela com um desprezo que lhe põe a nu o ridículo.

A buzina tem igualmente um uso democrático. O homem que buzina está afirmando o direito de buzinar. Eu buzino e o presidente da república não tem nada com isso – eis o raciocínio dos que buzinam por motivos políticos. São na maioria partidários do brigadeiro Eduardo Gomes e pagam mensalidade na U. D. N.

Há um gênero um pouco semelhante com o precedente, são os que buzinam contra a Prefeitura. Por exemplo: o homem vai tocando por uma rua, vê um buraco, e dá uma buzinada lancinante. A buzina, neste caso, quer dizer: “O Rio nunca teve um prefeito tão desleixado”!

Um dos usos mais curiosos da buzina é puramente lúdico, ou seja, infantil. São as famosas pessoas que estão sempre de bom humor. Buzinam de brincadeira, buzinam por alegria, chegam a compor as notas mais simples de canções populares.

Não fosse alongar demais esta crônica, examinaríamos outros usos da buzina no Rio de Janeiro. Mostraríamos o lado físico da buzina, o lado gaiato, suas relações com o DASP, com a estética, apontaríamos os diversos desdobramentos filosóficos da buzina (inclusive o existencialista), diríamos da influência da buzina nos crimes inexplicáveis, estudaríamos a conexão entre a buzina e os analgésicos, etc., etc.

[prop_publishingPrinciples] => coluna: Primeiro Plano [prop_sameAs] => [relations] => Array ( [ImageObject] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Organization] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Periodical] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Person] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Place] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Thing] => Array ( [contents] => 2 [relations] => 2 ) [DataCatalog] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) ) ) [dateBegin] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 57669 [content_id] => 7542 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => dateBegin [label] => 1952-04-17 ) ) [datePublished] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 57668 [content_id] => 7542 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => datePublished [label] => 17 abr. 1952 ) ) [name] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 57667 [content_id] => 7542 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => name [label] => O carioca... ) ) [publishingPrinciples] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 57670 [content_id] => 7542 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => publishingPrinciples [label] => coluna: Primeiro Plano ) ) [text] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 85637 [content_id] => 7542 [type_id] => Text [language_id] => pt [property_id] => text [label] =>

O carioca (homem que mora no Rio) é de uma imaginação esfuziante. Ao contrário das pessoas de outras cidades, de imaginação mortiça, escravos dos usos habituais de todas as coisas, o carioca sabe empregar de maneira mais variada os mais vulgares objetos.

A buzina, por exemplo. No mundo inteiro, a buzina tem uso moderado, mesquinho e ridículo. No Rio, a buzina é um instrumento maravilhoso e através dela o carioca exerce algumas funções humanas essenciais e muitas fantasias.

O primeiro uso da buzina é naturalmente o amor. A buzina é impressionantemente útil para chamar namorada. O rapaz se põe com o seu automóvel debaixo da janela da amada, que pode ser em um 12° andar e, enquanto a moça se veste ou se penteia, começa a buzinar liricamente lá em baixo, como um pastor tocando flauta à sua pastora, ou um pombo arrulhando à sua amiga.

Se o amor é a mais poética das funções da buzina, não é a mais vigorosa. Outros sentimentos se exprimem romanticamente com a buzina e também estados d’alma encontrados diariamente na seção astrológica do prof. Mirakoff. Assim, falam as buzinas do Rio de sucessos financeiros, de irritação, de mal-estar hepático, dor nos rins, desfavorabilidades gerais, indigestão, briga com a namorada, êxitos sociais, etc. Um ouvido fino e hábil poderia distinguir essas emoções e esses sucessos ouvindo os motoristas que desfilam e buzinam pela avenida Atlântica.

Uma das funções mais primárias da buzina é econômica, isto é, antes de tudo o homem é um animal que buzina a fim de demonstrar que possui um carro. Regra geral, quão mais dispendioso é esse carro, mais delirante e agudamente buzina o seu dono. Quando uma furreca (ou lata-velha) buzina excessivamente, o Cadillac olha para ela com um desprezo que lhe põe a nu o ridículo.

A buzina tem igualmente um uso democrático. O homem que buzina está afirmando o direito de buzinar. Eu buzino e o presidente da república não tem nada com isso – eis o raciocínio dos que buzinam por motivos políticos. São na maioria partidários do brigadeiro Eduardo Gomes e pagam mensalidade na U. D. N.

Há um gênero um pouco semelhante com o precedente, são os que buzinam contra a Prefeitura. Por exemplo: o homem vai tocando por uma rua, vê um buraco, e dá uma buzinada lancinante. A buzina, neste caso, quer dizer: “O Rio nunca teve um prefeito tão desleixado”!

Um dos usos mais curiosos da buzina é puramente lúdico, ou seja, infantil. São as famosas pessoas que estão sempre de bom humor. Buzinam de brincadeira, buzinam por alegria, chegam a compor as notas mais simples de canções populares.

Não fosse alongar demais esta crônica, examinaríamos outros usos da buzina no Rio de Janeiro. Mostraríamos o lado físico da buzina, o lado gaiato, suas relações com o DASP, com a estética, apontaríamos os diversos desdobramentos filosóficos da buzina (inclusive o existencialista), diríamos da influência da buzina nos crimes inexplicáveis, estudaríamos a conexão entre a buzina e os analgésicos, etc., etc.

) ) [identifier] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 57666 [content_id] => 7542 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => identifier [label] => 058419 ) ) [textSearch] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 57671 [content_id] => 7542 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => textSearch [label] => 6 — DIÁRIO CARIOCA, 17 de Abril de 1952 PRIMEIRO PLANO 0 carioca (homem que mora no Rio) é de uma imaginação esfusiante. Ao contrário das pessoas de outras cidades, de imaginação mortiça, escravos dos usos habituais de tôdas as coisas, o carioca sabe empregar de ma?-neira mais variada os mais vulgares objetos. A buzina, por exemplo, No mundo inteiro, a buzina tem uso moderado, mesquinho e ridículo. No Rio, a buzina é um instrumento maravilhoso, e, através dela, o carioca exerce algümas funções humanas essenciais e muitas fantasias. O primeiro uso da buzina é naturalmente o amor. A buzina é impressionantemente útil para chamar namorada. O rapaz se põe com o seu automóvel debaixo da janela da amada, que pode ser em um 12.° andar, e, enquanto a moça se veste ou se penteia, começa a buzinar liricamente lá em baixo, como um pastor tocando flauta à sua pastora/ ou um pombo arrulhando à sua amiga. Se o amor é a mais poética das funções da buzina, não é a mais vigorosa. Outros sentimentos se exprimem romanticamente com a buzina e também estados d’alma encontrados diariamente na seção astrológica do prof. Mi-rakoff. Assim, falam -as buzinas do Rio de sucessos finançeiros, de irritação, de mal-estar hepático, dõr nos rins, desfavorabilidades gerais, indigestão, briga com a namorada, êxitos sociais, etc. Um ouvido fino e hábil podería distinguir essas emoções e êsses sucessos ouvindo os motoristas que desfilam e buzinam pela avenida Atlântica. Uma das funções mais primárias da buzina é econômica, isto é, antes de tudo o homem é um animal que buzina a fim de demonstrar que possui um carro. Regra geral, quão mais dispendioso é êsse carro, mais delirante e agudamente buzina o seu dono. Quando uma furreca (ou lata-velha) buzina excessivamente, o “Cadillac” olha para ela com um desprezo que lhe põe a nu o ridículo. A bpzina tem igualmente um uso democrático. O homem que buzina está afirmando o direito de buzinar. Eu buzino e o presidente da República não tem nada com isso — eis o raciocínio dos que buzinam por motivos políticos. São na maioriar partidários do brigadeiro Eduardo Gomes e pagam mensalidade na U. D. N. Há um gênero um pouco semelhante com o precedente, são os que buzinam contra a Prefeitura. Por exemplo: o homem vai tocando por uma rua, vê um buraco, e dá uma buzinada lancinante. A buzina, neste caso, quer dizer: “O Rio nunca teve um prefeito tão desleixado!” Um dos usos mais curiosos da buzina é puramente lúdico, ou seja, infantil. São as famosas pessoas que estão sempre de bom-humor.' Buzinam de brincadeira, buzinam por alegria, chegam a compor as notas mais simples de canções populares. Não fôsse alongar demais esta crônica, examinaríamos outros usoS da buzina no Rio de Janeiro. Mostraríamos o lado físico da buzina, o lado gaiato, suas relações com o DASP, com a Estética, apontaríamos os, diversos desdobramentos filosóficos da buzina (inclusive o existencialista), diriamos da influência da buzina nos crimes inexplicáveis, estudaríamos a conexão entre a buzina e os an? ígésicos, etc., etc. M. C. ) ) [dateScheduled] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 85657 [content_id] => 7542 [type_id] => Date [language_id] => pt [property_id] => dateScheduled [label] => 2020-05-23 ) ) [author] => Array ( [Person] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 24616 [content_id] => 7054 [property_id] => author [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Person [content_creator] => 1 [label] => Paulo Mendes Campos [name] => Paulo Mendes Campos [slug] => paulo-mendes-campos [image] => 2018-08-13/2cf01c87b705afcafb489bb0baeb3871[800x800].jpg ) ) ) [relatedTo] => Array ( [Thing] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 39040 [content_id] => 5765 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Costumes [name] => Costumes [slug] => costumes [image] => ) [1] => Array ( [relation_id] => 39039 [content_id] => 5797 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Rio de Janeiro [name] => Rio de Janeiro [slug] => rio-de-janeiro [image] => ) ) [ImageObject] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 24618 [content_id] => 7543 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => 1 [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => ImageObject [content_creator] => 1 [contentUrl] => 2018-07-12/9d810173bbb8908603c49b9e2703e284.jpg [width] => 2875 [height] => 2500 [label] => 058419.jpg [name] => 058419.jpg [slug] => 058419jpg [image] => 2018-07-12/f1c0954c520511a5800d9c301585cb82.jpg ) ) [DataCatalog] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 39949 [content_id] => 14350 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 14349 [direction] => 0 [type_id] => DataCatalog [content_creator] => 14349 [label] => Crônicas Favoritas [name] => Crônicas Favoritas [slug] => cronicas-favoritas [image] => ) ) [Periodical] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 24617 [content_id] => 5326 [property_id] => isPartOf [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Periodical [content_creator] => 1 [label] => Diário Carioca [name] => Diário Carioca [slug] => diario-carioca [image] => ) ) ) [locationCreated] => Array ( [Place] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 24615 [content_id] => 5817 [property_id] => locationCreated [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Place [content_creator] => 1 [label] => Rio de Janeiro - RJ [name] => Rio de Janeiro - RJ [slug] => rio-de-janeiro-rj [image] => ) ) ) [sourceOrganization] => Array ( [Organization] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 24614 [content_id] => 5809 [property_id] => sourceOrganization [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Organization [content_creator] => 1 [label] => Instituto Moreira Salles [name] => Instituto Moreira Salles [slug] => instituto-moreira-salles [image] => ) ) ) )