Mais um ano que se passa. Quando eu era menina, pensava na passagem do século e dizia comigo: "Vou estar muito velha. Quando acabar 1999, eu irei completar 89 anos!" E esses oitenta anos me pareciam tão distantes quanto o fim do mundo; e me imaginava como seria eu, então (se sobrevivesse até lá), velhinha, apoiada no bastão, ralhando com os bisnetos... e cá estou, sem bastão, andando livremente (até de salto alto, às vezes!), enfrentando a vida e suas tristezas, com a velha resignação cearense, que a gente já traz na massa do sangue. Não sei muito bem como se comportam os outros ante à adversidade, mas creio que nós, cearenses, temos a alma elástica: a batida vem, mas a gente reage sempre e se levanta. Tiramos o exemplo da natureza – a nossa natureza, lá! Vá, por exemplo, ao sertão nordestino, nos meses de novembro e dezembro. O povo, lá, não tira os olhos do céu, em procura dos prenúncios. Pequenas nuvens ao poente... pequenas, claro, ainda não é tempo das grandes, mas se elas se juntam para o sul, quer dizer uma coisa; se aparecem ao poente, a coisa muda. Só o que eles não dizem é que coisa será essa: como todos os adivinhas do mundo, gostam de se envolver em mistério. E aquelas nuvens inocentes são branquinhas como se fossem feitas só de gelo e neve, não têm nada a ver com chuva, são só enfeites do céu ...

Aqui no Rio, chove e a gente se maldiz. Ousam os nativos dizer que a chuva "estragou" a exibição de fogos na passagem da meia-noite. Mas a velha Chiquinha Rufino é que sabia interpretar essas coisas: "fogo é coisa do diabo, e a chuva é coisa de Deus".

Por mim, não gosto de passagem de ano. Cada ano que se acaba é como se o cortassem de mim. Era meu e não é mais. Eu dependia dele para fazer projetos, marcar viagens, dividi-lo em mínimas porções: "Semana que vem vou a São Paulo, faço isto e aquilo lá (divido as horas e até os minutos em variados compromissos). É como se eu tivesse comprado o tempo para o meu uso.

E como a gente se engana! O tempo é que é o nosso dono, suscita o inesperado, valendo-se das coisas mais íntimas. Até um salto de sapato que se quebra pode impedir o encontro definitivo da sua vida: você não consegue chegar na hora, e a pessoa amada vai embora após a espera inútil, certa de que a sua ausência era a prova definitiva do rompimento. E quando você consegue chegar ao ponto marcado, com duas horas de atraso, a pessoa amada já foi embora, certa de que tudo acabou.

O que estou querendo dizer é que a gente é muito mais joguete das circunstâncias do que se pode imaginar. E estava errada minha avó, quando dizia: "Tudo que Deus manda é para o nosso bem". Primeiro, é até um pecado acreditar que Deus Nosso Senhor, lá do seu trono, no Paraíso, vai se preocupar em quebrar o salto do teu sapato e, por via disso, pôr fim a um caso de amor. Na realidade, na sua maioria, os casos de amor são fora da lei, ou dos costumes, ou dos preconceitos. Deus Nosso Senhor não cuida deles; e, embora os veja se quiser, já que Ele pode ver tudo, deve sorrir paciente, diante das nossas vicissitudes sentimentais e esperar que passem. Ele, mais que ninguém, no céu e na terra, sabe que tudo passa. Aliás, tenho a impressão de que a grande sorte do ser humano, na sua passagem pela vida, é saber que tudo é transitório. A começar pela própria vida, a sua própria existência. Além de tão curta, tão repartida: infância, mocidade, maturidade, velhice, cada capítulo tem sua sorte própria, seus risos, suas dores, seus mistérios.

Mas o curioso é que viver não é um aprendizado. Um velho de cabelos brancos é tão inexperiente e crédulo quanto um menino, diante da vida. Cai nos mesmos tropeços, o menino ao aprender a andar, o velho que já não pode confiar nas pernas para cruzar os passos. E a gente acaba, na vida, no mesmo ponto em que começou. Como a cobra que morde o rabo.

rachel-de-queiroz
x
- +
Array
(
    [@header] => Array
        (
            [content_id] => 8283
            [slug] => a-cobra-que-morde-o-rabo
            [image] => 
            [baseDate] => 1999-01-09
            [type_id] => CreativeWork
            [dateCreation] => 2018-07-12 14:47:23
            [creator] => 1
            [prop_name] => A cobra que morde o rabo
            [prop_description] => 
            [prop_text] => <p> Mais um ano que se passa. Quando eu era menina, pensava na passagem do século e dizia comigo: "Vou estar muito velha. Quando acabar 1999, eu irei completar 89 anos!" E esses oitenta anos me pareciam tão distantes quanto o fim do mundo; e me imaginava como seria eu, então (se sobrevivesse até lá), velhinha, apoiada no bastão, ralhando com os bisnetos... e cá estou, sem bastão, andando livremente (até de salto alto, às vezes!), enfrentando a vida e suas tristezas, com a velha resignação cearense, que a gente já traz na massa do sangue. Não sei muito bem como se comportam os outros ante à adversidade, mas creio que nós, cearenses, temos a alma elástica: a batida vem, mas a gente reage sempre e se levanta. Tiramos o exemplo da natureza – a nossa natureza, lá! Vá, por exemplo, ao sertão nordestino, nos meses de novembro e dezembro. O povo, lá, não tira os olhos do céu, em procura dos prenúncios. Pequenas nuvens ao poente... pequenas, claro, ainda não é tempo das grandes, mas se elas se juntam para o sul, quer dizer uma coisa; se aparecem ao poente, a coisa muda. Só o que eles não dizem é que coisa será essa: como todos os adivinhas do mundo, gostam de se envolver em mistério. E aquelas nuvens inocentes são branquinhas como se fossem feitas só de gelo e neve, não têm nada a ver com chuva, são só enfeites do céu ...</p> <p> Aqui no Rio, chove e a gente se maldiz. Ousam os nativos dizer que a chuva "estragou" a exibição de fogos na passagem da meia-noite. Mas a velha Chiquinha Rufino é que sabia interpretar essas coisas: "fogo é coisa do diabo, e a chuva é coisa de Deus".</p> <p> Por mim, não gosto de passagem de ano. Cada ano que se acaba é como se o cortassem de mim. Era meu e não é mais. Eu dependia dele para fazer projetos, marcar viagens, dividi-lo em mínimas porções: "Semana que vem vou a São Paulo, faço isto e aquilo lá (divido as horas e até os minutos em variados compromissos). É como se eu tivesse comprado o tempo para o meu uso.</p> <p> E como a gente se engana! O tempo é que é o nosso dono, suscita o inesperado, valendo-se das coisas mais íntimas. Até um salto de sapato que se quebra pode impedir o encontro definitivo da sua vida: você não consegue chegar na hora, e a pessoa amada vai embora após a espera inútil, certa de que a sua ausência era a prova definitiva do rompimento. E quando você consegue chegar ao ponto marcado, com duas horas de atraso, a pessoa amada já foi embora, certa de que tudo acabou.</p> <p> O que estou querendo dizer é que a gente é muito mais joguete das circunstâncias do que se pode imaginar. E estava errada minha avó, quando dizia: "Tudo que Deus manda é para o nosso bem". Primeiro, é até um pecado acreditar que Deus Nosso Senhor, lá do seu trono, no Paraíso, vai se preocupar em quebrar o salto do teu sapato e, por via disso, pôr fim a um caso de amor. Na realidade, na sua maioria, os casos de amor são fora da lei, ou dos costumes, ou dos preconceitos. Deus Nosso Senhor não cuida deles; e, embora os veja se quiser, já que Ele pode ver tudo, deve sorrir paciente, diante das nossas vicissitudes sentimentais e esperar que passem. Ele, mais que ninguém, no céu e na terra, sabe que tudo passa. Aliás, tenho a impressão de que a grande sorte do ser humano, na sua passagem pela vida, é saber que tudo é transitório. A começar pela própria vida, a sua própria existência. Além de tão curta, tão repartida: infância, mocidade, maturidade, velhice, cada capítulo tem sua sorte própria, seus risos, suas dores, seus mistérios.</p> <p> Mas o curioso é que viver não é um aprendizado. Um velho de cabelos brancos é tão inexperiente e crédulo quanto um menino, diante da vida. Cai nos mesmos tropeços, o menino ao aprender a andar, o velho que já não pode confiar nas pernas para cruzar os passos. E a gente acaba, na vida, no mesmo ponto em que começou. Como a cobra que morde o rabo.</p>
            [prop_publishingPrinciples] => 
            [prop_sameAs] => 
            [relations] => Array
                (
                    [ImageObject] => Array
                        (
                            [contents] => 1
                            [relations] => 1
                        )

                    [Organization] => Array
                        (
                            [contents] => 1
                            [relations] => 1
                        )

                    [Periodical] => Array
                        (
                            [contents] => 1
                            [relations] => 1
                        )

                    [Person] => Array
                        (
                            [contents] => 1
                            [relations] => 1
                        )

                    [Place] => Array
                        (
                            [contents] => 1
                            [relations] => 1
                        )

                    [Thing] => Array
                        (
                            [contents] => 2
                            [relations] => 2
                        )

                    [DataCatalog] => Array
                        (
                            [contents] => 3
                            [relations] => 3
                        )

                )

        )

    [dateBegin] => Array
        (
            [0] => Array
                (
                    [properties_id] => 61741
                    [content_id] => 8283
                    [type_id] => CreativeWork
                    [language_id] => pt
                    [property_id] => dateBegin
                    [label] => 1999-01-09
                )

        )

    [datePublished] => Array
        (
            [0] => Array
                (
                    [properties_id] => 61740
                    [content_id] => 8283
                    [type_id] => CreativeWork
                    [language_id] => pt
                    [property_id] => datePublished
                    [label] => 9 jan. 1999
                )

        )

    [name] => Array
        (
            [0] => Array
                (
                    [properties_id] => 61739
                    [content_id] => 8283
                    [type_id] => CreativeWork
                    [language_id] => pt
                    [property_id] => name
                    [label] => A cobra que morde o rabo
                )

        )

    [text] => Array
        (
            [0] => Array
                (
                    [properties_id] => 61748
                    [content_id] => 8283
                    [type_id] => CreativeWork
                    [language_id] => pt
                    [property_id] => text
                    [label] => <p> Mais um ano que se passa. Quando eu era menina, pensava na passagem do século e dizia comigo: "Vou estar muito velha. Quando acabar 1999, eu irei completar 89 anos!" E esses oitenta anos me pareciam tão distantes quanto o fim do mundo; e me imaginava como seria eu, então (se sobrevivesse até lá), velhinha, apoiada no bastão, ralhando com os bisnetos... e cá estou, sem bastão, andando livremente (até de salto alto, às vezes!), enfrentando a vida e suas tristezas, com a velha resignação cearense, que a gente já traz na massa do sangue. Não sei muito bem como se comportam os outros ante à adversidade, mas creio que nós, cearenses, temos a alma elástica: a batida vem, mas a gente reage sempre e se levanta. Tiramos o exemplo da natureza – a nossa natureza, lá! Vá, por exemplo, ao sertão nordestino, nos meses de novembro e dezembro. O povo, lá, não tira os olhos do céu, em procura dos prenúncios. Pequenas nuvens ao poente... pequenas, claro, ainda não é tempo das grandes, mas se elas se juntam para o sul, quer dizer uma coisa; se aparecem ao poente, a coisa muda. Só o que eles não dizem é que coisa será essa: como todos os adivinhas do mundo, gostam de se envolver em mistério. E aquelas nuvens inocentes são branquinhas como se fossem feitas só de gelo e neve, não têm nada a ver com chuva, são só enfeites do céu ...</p> <p> Aqui no Rio, chove e a gente se maldiz. Ousam os nativos dizer que a chuva "estragou" a exibição de fogos na passagem da meia-noite. Mas a velha Chiquinha Rufino é que sabia interpretar essas coisas: "fogo é coisa do diabo, e a chuva é coisa de Deus".</p> <p> Por mim, não gosto de passagem de ano. Cada ano que se acaba é como se o cortassem de mim. Era meu e não é mais. Eu dependia dele para fazer projetos, marcar viagens, dividi-lo em mínimas porções: "Semana que vem vou a São Paulo, faço isto e aquilo lá (divido as horas e até os minutos em variados compromissos). É como se eu tivesse comprado o tempo para o meu uso.</p> <p> E como a gente se engana! O tempo é que é o nosso dono, suscita o inesperado, valendo-se das coisas mais íntimas. Até um salto de sapato que se quebra pode impedir o encontro definitivo da sua vida: você não consegue chegar na hora, e a pessoa amada vai embora após a espera inútil, certa de que a sua ausência era a prova definitiva do rompimento. E quando você consegue chegar ao ponto marcado, com duas horas de atraso, a pessoa amada já foi embora, certa de que tudo acabou.</p> <p> O que estou querendo dizer é que a gente é muito mais joguete das circunstâncias do que se pode imaginar. E estava errada minha avó, quando dizia: "Tudo que Deus manda é para o nosso bem". Primeiro, é até um pecado acreditar que Deus Nosso Senhor, lá do seu trono, no Paraíso, vai se preocupar em quebrar o salto do teu sapato e, por via disso, pôr fim a um caso de amor. Na realidade, na sua maioria, os casos de amor são fora da lei, ou dos costumes, ou dos preconceitos. Deus Nosso Senhor não cuida deles; e, embora os veja se quiser, já que Ele pode ver tudo, deve sorrir paciente, diante das nossas vicissitudes sentimentais e esperar que passem. Ele, mais que ninguém, no céu e na terra, sabe que tudo passa. Aliás, tenho a impressão de que a grande sorte do ser humano, na sua passagem pela vida, é saber que tudo é transitório. A começar pela própria vida, a sua própria existência. Além de tão curta, tão repartida: infância, mocidade, maturidade, velhice, cada capítulo tem sua sorte própria, seus risos, suas dores, seus mistérios.</p> <p> Mas o curioso é que viver não é um aprendizado. Um velho de cabelos brancos é tão inexperiente e crédulo quanto um menino, diante da vida. Cai nos mesmos tropeços, o menino ao aprender a andar, o velho que já não pode confiar nas pernas para cruzar os passos. E a gente acaba, na vida, no mesmo ponto em que começou. Como a cobra que morde o rabo.</p>
                )

        )

    [identifier] => Array
        (
            [0] => Array
                (
                    [properties_id] => 61737
                    [content_id] => 8283
                    [type_id] => CreativeWork
                    [language_id] => pt
                    [property_id] => identifier
                    [label] => 048241
                )

        )

    [textSearch] => Array
        (
            [0] => Array
                (
                    [properties_id] => 61749
                    [content_id] => 8283
                    [type_id] => CreativeWork
                    [language_id] => pt
                    [property_id] => textSearch
                    [label] => Mais um ano que se passa. Quando eu era menina, pensava na passagem do século e dizia comigo: "Vou estar muito velha. Quando acabar 1999, eu irei completar 89 anos!" E esses oitenta anos me pareciam tão distantes quanto o fim do mundo; e me imaginava como seria eu, então (se sobrevivesse até lá), velhinha, apoiada no bastão, ralhando com os bisnetos... e cá estou, sem bastão, andando livremente (até de salto alto, às vezes!), enfrentando a vida e suas tristezas, com a velha resignação cearense, que a gente já traz na massa do sangue. Não sei muito bem como se comportam os outros ante à adversidade, mas creio que nós, cearenses, temos a alma elástica: a batida vem, mas a gente reage sempre e se levanta. Tiramos o exemplo da natureza – a nossa natureza, lá! Vá, por exemplo, ao sertão nordestino, nos meses de novembro e dezembro. O povo, lá, não tira os olhos do céu, em procura dos prenúncios. Pequenas nuvens ao poente... pequenas, claro, ainda não é tempo das grandes, mas se elas se juntam para o sul, quer dizer uma coisa; se aparecem ao poente, a coisa muda. Só o que eles não dizem é que coisa será essa: como todos os adivinhas do mundo, gostam de se envolver em mistério. E aquelas nuvens inocentes são branquinhas como se fossem feitas só de gelo e neve, não têm nada a ver com chuva, são só enfeites do céu ...  Aqui no Rio, chove e a gente se maldiz. Ousam os nativos dizer que a chuva "estragou" a exibição de fogos na passagem da meia-noite. Mas a velha Chiquinha Rufino é que sabia interpretar essas coisas: "fogo é coisa do diabo, e a chuva é coisa de Deus".  Por mim, não gosto de passagem de ano. Cada ano que se acaba é como se o cortassem de mim. Era meu e não é mais. Eu dependia dele para fazer projetos, marcar viagens, dividi-lo em mínimas porções: "Semana que vem vou a São Paulo, faço isto e aquilo lá (divido as horas e até os minutos em variados compromissos). É como se eu tivesse comprado o tempo para o meu uso.  E como a gente se engana! O tempo é que é o nosso dono, suscita o inesperado, valendo-se das coisas mais íntimas. Até um salto de sapato que se quebra pode impedir o encontro definitivo da sua vida: você não consegue chegar na hora, e a pessoa amada vai embora após a espera inútil, certa de que a sua ausência era a prova definitiva do rompimento. E quando você consegue chegar ao ponto marcado, com duas horas de atraso, a pessoa amada já foi embora, certa de que tudo acabou.  O que estou querendo dizer é que a gente é muito mais joguete das circunstâncias do que se pode imaginar. E estava errada minha avó, quando dizia: "Tudo que Deus manda é para o nosso bem". Primeiro, é até um pecado acreditar que Deus Nosso Senhor, lá do seu trono, no Paraíso, vai se preocupar em quebrar o salto do teu sapato e, por via disso, pôr fim a um caso de amor. Na realidade, na sua maioria, os casos de amor são fora da lei, ou dos costumes, ou dos preconceitos. Deus Nosso Senhor não cuida deles; e, embora os veja se quiser, já que Ele pode ver tudo, deve sorrir paciente, diante das nossas vicissitudes sentimentais e esperar que passem. Ele, mais que ninguém, no céu e na terra, sabe que tudo passa. Aliás, tenho a impressão de que a grande sorte do ser humano, na sua passagem pela vida, é saber que tudo é transitório. A começar pela própria vida, a sua própria existência. Além de tão curta, tão repartida: infância, mocidade, maturidade, velhice, cada capítulo tem sua sorte própria, seus risos, suas dores, seus mistérios.  Mas o curioso é que viver não é um aprendizado. Um velho de cabelos brancos é tão inexperiente e crédulo quanto um menino, diante da vida. Cai nos mesmos tropeços, o menino ao aprender a andar, o velho que já não pode confiar nas pernas para cruzar os passos. E a gente acaba, na vida, no mesmo ponto em que começou. Como a cobra que morde o rabo.
                )

        )

    [dateScheduled] => Array
        (
            [0] => Array
                (
                    [properties_id] => 79866
                    [content_id] => 8283
                    [type_id] => Date
                    [language_id] => pt
                    [property_id] => dateScheduled
                    [label] => 2018-10-28
                )

        )

    [author] => Array
        (
            [Person] => Array
                (
                    [0] => Array
                        (
                            [relation_id] => 26463
                            [content_id] => 8262
                            [property_id] => author
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 
                            [creator] => 1
                            [direction] => 0
                            [type_id] => Person
                            [content_creator] => 1
                            [label] => Rachel de Queiroz
                            [name] => Rachel de Queiroz
                            [slug] => rachel-de-queiroz
                            [image] => 2018-08-13/2818221ed2281d5b2a9f8974ecdab521[800x800].jpg
                        )

                )

        )

    [relatedTo] => Array
        (
            [Thing] => Array
                (
                    [0] => Array
                        (
                            [relation_id] => 26465
                            [content_id] => 6595
                            [property_id] => relatedTo
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 
                            [creator] => 1
                            [direction] => 0
                            [type_id] => Thing
                            [content_creator] => 1
                            [label] => Velhice
                            [name] => Velhice
                            [slug] => velhice
                            [image] => 
                        )

                    [1] => Array
                        (
                            [relation_id] => 26464
                            [content_id] => 5693
                            [property_id] => relatedTo
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 
                            [creator] => 1
                            [direction] => 0
                            [type_id] => Thing
                            [content_creator] => 1
                            [label] => Vida
                            [name] => Vida
                            [slug] => vida
                            [image] => 
                        )

                )

            [ImageObject] => Array
                (
                    [0] => Array
                        (
                            [relation_id] => 26466
                            [content_id] => 8285
                            [property_id] => relatedTo
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 1
                            [creator] => 1
                            [direction] => 0
                            [type_id] => ImageObject
                            [content_creator] => 1
                            [contentUrl] => 2018-07-12/144c081682daf1325e4538fc067c7a4c.jpg
                            [width] => 3840
                            [height] => 3372
                            [label] => 048241.jpg
                            [name] => 048241.jpg
                            [slug] => 048241jpg
                            [image] => 2018-07-12/dcb988f75620d463a18d4bd10536e42e.jpg
                        )

                )

            [DataCatalog] => Array
                (
                    [0] => Array
                        (
                            [relation_id] => 36084
                            [content_id] => 12442
                            [property_id] => relatedTo
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 
                            [creator] => 12441
                            [direction] => 0
                            [type_id] => DataCatalog
                            [content_creator] => 12441
                            [label] => Seleção 28/01/2019
                            [name] => Seleção 28/01/2019
                            [slug] => selecao-28012019
                            [image] => 
                        )

                    [1] => Array
                        (
                            [relation_id] => 36000
                            [content_id] => 12370
                            [property_id] => relatedTo
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 
                            [creator] => 12369
                            [direction] => 0
                            [type_id] => DataCatalog
                            [content_creator] => 12369
                            [label] => Meus
                            [name] => Meus
                            [slug] => meus
                            [image] => 
                        )

                    [2] => Array
                        (
                            [relation_id] => 35839
                            [content_id] => 12259
                            [property_id] => relatedTo
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 
                            [creator] => 12258
                            [direction] => 0
                            [type_id] => DataCatalog
                            [content_creator] => 12258
                            [label] => Preferidas 10
                            [name] => Preferidas 10
                            [slug] => preferidas-10
                            [image] => 
                        )

                )

            [Periodical] => Array
                (
                    [0] => Array
                        (
                            [relation_id] => 26467
                            [content_id] => 8286
                            [property_id] => isPartOf
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 
                            [creator] => 1
                            [direction] => 0
                            [type_id] => Periodical
                            [content_creator] => 1
                            [label] => O Povo
                            [name] => O Povo
                            [slug] => o-povo
                            [image] => 
                        )

                )

        )

    [locationCreated] => Array
        (
            [Place] => Array
                (
                    [0] => Array
                        (
                            [relation_id] => 26462
                            [content_id] => 8284
                            [property_id] => locationCreated
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 
                            [creator] => 1
                            [direction] => 0
                            [type_id] => Place
                            [content_creator] => 1
                            [label] => Fortaleza - CE
                            [name] => Fortaleza - CE
                            [slug] => fortaleza-ce
                            [image] => 
                        )

                )

        )

    [sourceOrganization] => Array
        (
            [Organization] => Array
                (
                    [0] => Array
                        (
                            [relation_id] => 26461
                            [content_id] => 5809
                            [property_id] => sourceOrganization
                            [inpoint] => 
                            [outpoint] => 
                            [position] => 
                            [order] => 
                            [creator] => 1
                            [direction] => 0
                            [type_id] => Organization
                            [content_creator] => 1
                            [label] => Instituto Moreira Salles
                            [name] => Instituto Moreira Salles
                            [slug] => instituto-moreira-salles
                            [image] => 
                        )

                )

        )

)