Crônica diária cria o problema diário da vaidade, balão que se entumece ou esvazia ao sopro cálido do elogio ou ao bafo danoso da censura.

Esse não é o nosso jeito de escrever: entra nele um pouco da ênfase frouxa de uma gripe funesta. Mas, como dizíamos, crônica diária cria o problema diário da vaidade, e a vaidade costuma talhar temperamentos mais diversos, inclusive a modalidade dos cronistas de todo indiferentes às críticas e louvores. É o tipo extremo, uma espécie de desespero da vaidade. O tipo contrário será talvez o do escritor que prefere o elogio mentiroso, convencional ou calculista, à uma crítica honesta e procedente. Antes de darmos opinião sobre o que escreveram, tomamos todas as precauções para que a boca se abra somente para gabar, que se mantenha fechada no caso de alguma dúvida ou troque a repreensão em um sorriso amigável: Se desembolsam um poema, eles nos subornam antes com elogios a nosso último artigo, ou à nossa gravata, invocam a autoridade dos maiores dizendo que Manuel Bandeira gostou muito do poema em apreço e, sobretudo, põem uma tal doçura angustiada no olhar que o nosso espírito crítico falece, o nosso feroz desejo de destroçar o fulano se transforma em ternura.

Até aqui, a vaidade; relacionada a ela, uma explicação. Vieram dizer-nos que as nossas crônicas estavam muito à margem de. Lógico, rapaz. Ainda não nos foi possível engrenar na vida teatral do Rio; depois que iniciamos a seção, só nos foi dado assistir à uma estreia: sem assunto, a crônica não anda e só pode aborrecer o leitor e a nós. Mais tarde, haja material, seremos tão objetivos e a propósito quanto pudermos. Esperando que a supracitada gripe, mãe da leviandade jornalística, tenha ido embora.

paulo-mendes-campos
x
- +
Array
(
    [@header] => Array
        (
            [content_id] => 7202
            [slug] => vaidades-e-uma-explicacao
            [image] => 
            [baseDate] => 1950-06-03
            [type_id] => CreativeWork
            [dateCreation] => 2018-07-12 14:12:35
            [creator] => 1
            [prop_name] => Vaidades e uma explicação
            [prop_description] => 
            [prop_text] => 

Crônica diária cria o problema diário da vaidade, balão que se entumece ou esvazia ao sopro cálido do elogio ou ao bafo danoso da censura.

Esse não é o nosso jeito de escrever: entra nele um pouco da ênfase frouxa de uma gripe funesta. Mas, como dizíamos, crônica diária cria o problema diário da vaidade, e a vaidade costuma talhar temperamentos mais diversos, inclusive a modalidade dos cronistas de todo indiferentes às críticas e louvores. É o tipo extremo, uma espécie de desespero da vaidade. O tipo contrário será talvez o do escritor que prefere o elogio mentiroso, convencional ou calculista, à uma crítica honesta e procedente. Antes de darmos opinião sobre o que escreveram, tomamos todas as precauções para que a boca se abra somente para gabar, que se mantenha fechada no caso de alguma dúvida ou troque a repreensão em um sorriso amigável: Se desembolsam um poema, eles nos subornam antes com elogios a nosso último artigo, ou à nossa gravata, invocam a autoridade dos maiores dizendo que Manuel Bandeira gostou muito do poema em apreço e, sobretudo, põem uma tal doçura angustiada no olhar que o nosso espírito crítico falece, o nosso feroz desejo de destroçar o fulano se transforma em ternura.

Até aqui, a vaidade; relacionada a ela, uma explicação. Vieram dizer-nos que as nossas crônicas estavam muito à margem de. Lógico, rapaz. Ainda não nos foi possível engrenar na vida teatral do Rio; depois que iniciamos a seção, só nos foi dado assistir à uma estreia: sem assunto, a crônica não anda e só pode aborrecer o leitor e a nós. Mais tarde, haja material, seremos tão objetivos e a propósito quanto pudermos. Esperando que a supracitada gripe, mãe da leviandade jornalística, tenha ido embora.

[prop_publishingPrinciples] => coluna: Teatro [prop_sameAs] => [relations] => Array ( [ImageObject] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Organization] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Periodical] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Person] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Place] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Thing] => Array ( [contents] => 3 [relations] => 3 ) [DataCatalog] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) ) ) [dateBegin] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 55804 [content_id] => 7202 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => dateBegin [label] => 1950-06-03 ) ) [datePublished] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 55803 [content_id] => 7202 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => datePublished [label] => 3 jun. 1950 ) ) [name] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 55802 [content_id] => 7202 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => name [label] => Vaidades e uma explicação ) ) [publishingPrinciples] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 55805 [content_id] => 7202 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => publishingPrinciples [label] => coluna: Teatro ) ) [text] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 86304 [content_id] => 7202 [type_id] => Text [language_id] => pt [property_id] => text [label] =>

Crônica diária cria o problema diário da vaidade, balão que se entumece ou esvazia ao sopro cálido do elogio ou ao bafo danoso da censura.

Esse não é o nosso jeito de escrever: entra nele um pouco da ênfase frouxa de uma gripe funesta. Mas, como dizíamos, crônica diária cria o problema diário da vaidade, e a vaidade costuma talhar temperamentos mais diversos, inclusive a modalidade dos cronistas de todo indiferentes às críticas e louvores. É o tipo extremo, uma espécie de desespero da vaidade. O tipo contrário será talvez o do escritor que prefere o elogio mentiroso, convencional ou calculista, à uma crítica honesta e procedente. Antes de darmos opinião sobre o que escreveram, tomamos todas as precauções para que a boca se abra somente para gabar, que se mantenha fechada no caso de alguma dúvida ou troque a repreensão em um sorriso amigável: Se desembolsam um poema, eles nos subornam antes com elogios a nosso último artigo, ou à nossa gravata, invocam a autoridade dos maiores dizendo que Manuel Bandeira gostou muito do poema em apreço e, sobretudo, põem uma tal doçura angustiada no olhar que o nosso espírito crítico falece, o nosso feroz desejo de destroçar o fulano se transforma em ternura.

Até aqui, a vaidade; relacionada a ela, uma explicação. Vieram dizer-nos que as nossas crônicas estavam muito à margem de. Lógico, rapaz. Ainda não nos foi possível engrenar na vida teatral do Rio; depois que iniciamos a seção, só nos foi dado assistir à uma estreia: sem assunto, a crônica não anda e só pode aborrecer o leitor e a nós. Mais tarde, haja material, seremos tão objetivos e a propósito quanto pudermos. Esperando que a supracitada gripe, mãe da leviandade jornalística, tenha ido embora.

) ) [identifier] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 55801 [content_id] => 7202 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => identifier [label] => 057171 ) ) [textSearch] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 55806 [content_id] => 7202 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => textSearch [label] => TEAT RO VÃÍDÁDES E UMÁ EXPLICAÇÃO Crônica diária cria ò problema diário da vaidade/ balão que se entumece ou esvazia ao sôpro cálido do elogio ou ao bafo danoso da censura. Esse não é o nosso jeito de escrever: entra nêle um pouco da ênfase frouxa de uma gripe 1 funestá.! MáS, "còhio çliziamos, crônica diária cria o problema diário da vaidade, e a vaidade costuma talhar temperamentos mais diversos, inclusive a modalidade dos cronistas de todo indiferentes às críticas e louvores. E’ o tipo extremo, uma espécie de desespero da vaidade. O tipo contrário será talvez o dó escritor que prefere o elogio mentiroso, convencional ou calculista, à uma critícaz honesta e procedente. Arftes de darmos opinião sôbre o que i escreveram'tomamos todas as precauções para que a boca sè abra somente para gabar, que se mantenha fechada no caso de alguma dúvida ou troque a repreensão em qnrsoiriso amigável: Se desembolsâm um poema, êles nos subornam antes com elogios a nosso último artigo, ou. à nossa gravata, invocam a autoridade dos maiores dizendo que Manuel Bandeira gostou muito do poema em apreço, e, sobretudo., põem uma tal doçura angustiada no olhar que o nosso espírito crítico falece, o nosso feroz desejo de destroçai o fulano se transforma em ternura. Até aqpi, a vaidade;-relacionada a ela, uma explicação. Vieram dizér-nos que as-nossas crônicas .estavam muito à margem de. Lógico, rapaz. Ainda nao nos foi possível enganar na vida teatral do Rio; depois que iniciamos" a seção, só’nos foi dado assistir^ úma estréia: sem^ aísunto, a crônica não anda e só pode'aborreçer o leitor e. a nós. Mais tarde, haja material, seremos tão objetivòs e a propõstó quanto pudermos. Esperandoque a supracitada gripe, uráè da leviandade jornalística, tenha ido embora. ) ) [dateScheduled] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 86403 [content_id] => 7202 [type_id] => Date [language_id] => pt [property_id] => dateScheduled [label] => 2020-07-04 ) ) [author] => Array ( [Person] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23762 [content_id] => 7054 [property_id] => author [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Person [content_creator] => 1 [label] => Paulo Mendes Campos [name] => Paulo Mendes Campos [slug] => paulo-mendes-campos [image] => 2018-08-13/2cf01c87b705afcafb489bb0baeb3871[800x800].jpg ) ) ) [relatedTo] => Array ( [Thing] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 39469 [content_id] => 5845 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Personalidade [name] => Personalidade [slug] => personalidade [image] => ) [1] => Array ( [relation_id] => 39468 [content_id] => 5772 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Trabalho [name] => Trabalho [slug] => trabalho [image] => ) [2] => Array ( [relation_id] => 39467 [content_id] => 5698 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Crônica [name] => Crônica [slug] => cronica [image] => ) ) [ImageObject] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23764 [content_id] => 7203 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => 1 [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => ImageObject [content_creator] => 1 [contentUrl] => 2018-07-12/7711f8317f45efcf101f3e264dd61873.jpg [width] => 2500 [height] => 3804 [label] => 057171.jpg [name] => 057171.jpg [slug] => 057171jpg [image] => 2018-07-12/1257b7ce4d123073affd489642fbfcce.jpg ) ) [DataCatalog] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 37901 [content_id] => 13350 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 13349 [direction] => 0 [type_id] => DataCatalog [content_creator] => 13349 [label] => Paulo Mendes Campos [name] => Paulo Mendes Campos [slug] => paulo-mendes-campos [image] => ) ) [Periodical] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23763 [content_id] => 5326 [property_id] => isPartOf [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Periodical [content_creator] => 1 [label] => Diário Carioca [name] => Diário Carioca [slug] => diario-carioca [image] => ) ) ) [locationCreated] => Array ( [Place] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23761 [content_id] => 5817 [property_id] => locationCreated [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Place [content_creator] => 1 [label] => Rio de Janeiro - RJ [name] => Rio de Janeiro - RJ [slug] => rio-de-janeiro-rj [image] => ) ) ) [sourceOrganization] => Array ( [Organization] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 23760 [content_id] => 5809 [property_id] => sourceOrganization [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Organization [content_creator] => 1 [label] => Instituto Moreira Salles [name] => Instituto Moreira Salles [slug] => instituto-moreira-salles [image] => ) ) ) )