Uma das máximas básicas da boa educação e das boas maneiras decreta que jamais se dirija a palavra a um desconhecido, que se ignore tanto quanto possível a existência dos vizinhos, e se funcione exclusivamente dentro da roda oficialmente reconhecida de parentes e amigos, tal como um peru dentro do seu círculo de giz. A mais sublime prova de distinção que pode dar de si mesmo um imbecil mortal é declarar que reside há dez ou vinte anos no mesmo apartamento e desconhece até mesmo o sobrenome do casal que mora em frente ou o da velhota que mora ao lado. Quantas vezes já temos ouvido alguém a gabar-se de tal feito ― e em geral é mentira, pois a verdade é que somos muito menos ruins do que aparentamos, e a humana curiosidade já fez com que a criatura em questão indagasse direitinho não só do nome e do sobrenome de todos os vizinhos, como da sua história íntima e das suas relações domésticas. Isso porém faz-se em segredo, pois nada é tão maravilhosamente bem quanto mostrar-se uma pessoa aloof, solitária e inacessível.

E não é curioso que uma civilização que se afirma cristã, como a nossa, e cuja base social deveria ser o “amai-vos uns aos outros”, chegue a estimar como virtude excelente essa aberração de egocentrismo?

Vivia o homem primitivo sozinho na sua caverna até que arranjou companheira e que lhe nasceram os filhos. Crescida a família, com pouco já está ele incorporado a uma aldeia. Da aldeia passa à vila, da vila à pequena cidade, da pequena cidade à cidade grande e desta à metrópole moderna de mais de um milhão de habitantes. Uma vez porém chegado à metrópole, depois de atingir esse delírio de gregarismo representado por Londres ou Nova Iorque, então o homem se assusta e recua e passa a temer e aparentemente a odiar o seu irmão e igual, com o qual se acotovela de segundo em segundo, na rua, no bonde, no cinema e no trabalho; e o seu maior cuidado consiste em conseguir viver dentro de um agrupamento de vários milhões de almas, mas tão fechado, tão silencioso, tão isolado no seu apartamento quanto antes o estivera na caverna primitiva (com a qual, incontestavelmente o dito apartamento tem vários pontos de semelhança, pelo menos no tamanho e na incomodidade).

E por que será que o homem civilizado aceita cegamente esse estúpido preconceito, tão divorciado do seu instinto natural e tão contrário aos preceitos da sua moral religiosa? Decerto pelo mesmo motivo que o faz envergar para um baile de verão, com 40º de calor à noite, um casaco de lã preta e um colarinho engomado. Ou construir nesta latitude uma casa de estilo escandinavo, com telhado de cortar neve e paredes inteiras de vidro. Por instinto de imitação, pelo desejo de conformar-se ao que se consideram os padrões do bom gosto e da suprema civilização e — justiça se faça —levado por seu obscuro amor ao belo, ao excelente e ao perfeito, que é uma das molas mais atuantes do procedimento humano e que não deixa de ser louvável na intenção, mesmo quando não resulta louvável na prática.

As classes pobres, que não obedecem a padrões tão severos de procedimento social, já vivem de maneira muito mais humana e cristã. Entre gente pobre o próximo é realmente o nosso próximo, não só idealmente, como material e geograficamente, e tanto o é para o mal, como para o bem. Quer dizer que pobres se ajudam ou se guerreiam entre si, como se pertencessem todos a uma única família, e a verdade é que a promiscuidade da vida quase em comum os transforma praticamente numa família única. De uma casa para outra contam-se histórias, empresta-se um ovo ou um cobertor, acode-se a um doente, vigiam-se intimidades. Mal vai chegando a mudança de um vizinho novo, já o morador antigo está ajudando a descarregar os trastes da carroça, e o pó do primeiro café que se faz em casa do recém-chegado em rigor é emprestado pela vizinha prestimosa.

Veja-se um trem: ande-se no carro de primeira classe e depois no de segunda. No de primeira vai aquela turma enjaulada ali dentro por doze, quinze horas, cada um metido consigo, boca fechada, prodigiosamente chateado, consultando o relógio de minuto em minuto, folheando o livro ou o jornal, fazendo o máximo esforço possível (e a intensidade desse esforço é proporcional ao seu grau de educação) para não roçar sequer com a manga do paletó, durante a viagem toda, no braço do seu vizinho de banco.

Vá-se agora ao carro de segunda: primeiro nele sempre viajam mais crianças — onde há pobres há crianças em abundância, não se sabe bem por que. Logo as crianças confraternizam, e antes da hora do almoço as senhoras já estão trocando umas com as outras confidências, sanduíches, coxas de galinha, já explicaram o motivo da viagem, porque se deram mal no Braz ou em Nilópolis, que a mãe velha está doente, que não sabem como vão se apertar na casa da irmã enquanto arranjam um cômodo, — e logo com aquele gênio que o marido tem tão difícil de acomodar, imagine. Mas vida de pobre é assim mesmo não é? E ambas fraternalmente concordam em que vida de pobre é assim mesmo.

De onde se conclui que os ricos e bem-educados cada vez se afastam mais de Deus e dos seus mandamentos, enquanto os pobres, em razão mesmo da sua pobreza, são irresistivelmente arrastados ao bom cumprimento da doutrina cristã. E aí temos mais uma virtude da pobreza, afora todas as outras antes preconizadas por sábios e doutores.

Ainda outro dia um grande escritor e grande católico declarou em entrevista de jornal que não gosta dos vizinhos. Terá esse homem pensado em quão aberrantemente anticristão se mostrou, e no escândalo que deu com tal palavra? Decerto não. Pois é claro que ele jamais se deteve a verificar que o nosso vizinho é exatamente o nosso próximo, aquele a quem, segundo a lei, “devemos amar como a nós mesmos”.

rachel-de-queiroz
x
- +
Array
(
    [@header] => Array
        (
            [content_id] => 9223
            [slug] => vizinhos
            [image] => 
            [baseDate] => 1949-09-10
            [type_id] => CreativeWork
            [dateCreation] => 2018-07-12 15:12:39
            [creator] => 1
            [prop_name] => Vizinhos
            [prop_description] => 
            [prop_text] => 

Uma das máximas básicas da boa educação e das boas maneiras decreta que jamais se dirija a palavra a um desconhecido, que se ignore tanto quanto possível a existência dos vizinhos, e se funcione exclusivamente dentro da roda oficialmente reconhecida de parentes e amigos, tal como um peru dentro do seu círculo de giz. A mais sublime prova de distinção que pode dar de si mesmo um imbecil mortal é declarar que reside há dez ou vinte anos no mesmo apartamento e desconhece até mesmo o sobrenome do casal que mora em frente ou o da velhota que mora ao lado. Quantas vezes já temos ouvido alguém a gabar-se de tal feito ― e em geral é mentira, pois a verdade é que somos muito menos ruins do que aparentamos, e a humana curiosidade já fez com que a criatura em questão indagasse direitinho não só do nome e do sobrenome de todos os vizinhos, como da sua história íntima e das suas relações domésticas. Isso porém faz-se em segredo, pois nada é tão maravilhosamente bem quanto mostrar-se uma pessoa aloof, solitária e inacessível.

E não é curioso que uma civilização que se afirma cristã, como a nossa, e cuja base social deveria ser o “amai-vos uns aos outros”, chegue a estimar como virtude excelente essa aberração de egocentrismo?

Vivia o homem primitivo sozinho na sua caverna até que arranjou companheira e que lhe nasceram os filhos. Crescida a família, com pouco já está ele incorporado a uma aldeia. Da aldeia passa à vila, da vila à pequena cidade, da pequena cidade à cidade grande e desta à metrópole moderna de mais de um milhão de habitantes. Uma vez porém chegado à metrópole, depois de atingir esse delírio de gregarismo representado por Londres ou Nova Iorque, então o homem se assusta e recua e passa a temer e aparentemente a odiar o seu irmão e igual, com o qual se acotovela de segundo em segundo, na rua, no bonde, no cinema e no trabalho; e o seu maior cuidado consiste em conseguir viver dentro de um agrupamento de vários milhões de almas, mas tão fechado, tão silencioso, tão isolado no seu apartamento quanto antes o estivera na caverna primitiva (com a qual, incontestavelmente o dito apartamento tem vários pontos de semelhança, pelo menos no tamanho e na incomodidade).

E por que será que o homem civilizado aceita cegamente esse estúpido preconceito, tão divorciado do seu instinto natural e tão contrário aos preceitos da sua moral religiosa? Decerto pelo mesmo motivo que o faz envergar para um baile de verão, com 40º de calor à noite, um casaco de lã preta e um colarinho engomado. Ou construir nesta latitude uma casa de estilo escandinavo, com telhado de cortar neve e paredes inteiras de vidro. Por instinto de imitação, pelo desejo de conformar-se ao que se consideram os padrões do bom gosto e da suprema civilização e — justiça se faça —levado por seu obscuro amor ao belo, ao excelente e ao perfeito, que é uma das molas mais atuantes do procedimento humano e que não deixa de ser louvável na intenção, mesmo quando não resulta louvável na prática.

As classes pobres, que não obedecem a padrões tão severos de procedimento social, já vivem de maneira muito mais humana e cristã. Entre gente pobre o próximo é realmente o nosso próximo, não só idealmente, como material e geograficamente, e tanto o é para o mal, como para o bem. Quer dizer que pobres se ajudam ou se guerreiam entre si, como se pertencessem todos a uma única família, e a verdade é que a promiscuidade da vida quase em comum os transforma praticamente numa família única. De uma casa para outra contam-se histórias, empresta-se um ovo ou um cobertor, acode-se a um doente, vigiam-se intimidades. Mal vai chegando a mudança de um vizinho novo, já o morador antigo está ajudando a descarregar os trastes da carroça, e o pó do primeiro café que se faz em casa do recém-chegado em rigor é emprestado pela vizinha prestimosa.

Veja-se um trem: ande-se no carro de primeira classe e depois no de segunda. No de primeira vai aquela turma enjaulada ali dentro por doze, quinze horas, cada um metido consigo, boca fechada, prodigiosamente chateado, consultando o relógio de minuto em minuto, folheando o livro ou o jornal, fazendo o máximo esforço possível (e a intensidade desse esforço é proporcional ao seu grau de educação) para não roçar sequer com a manga do paletó, durante a viagem toda, no braço do seu vizinho de banco.

Vá-se agora ao carro de segunda: primeiro nele sempre viajam mais crianças — onde há pobres há crianças em abundância, não se sabe bem por que. Logo as crianças confraternizam, e antes da hora do almoço as senhoras já estão trocando umas com as outras confidências, sanduíches, coxas de galinha, já explicaram o motivo da viagem, porque se deram mal no Braz ou em Nilópolis, que a mãe velha está doente, que não sabem como vão se apertar na casa da irmã enquanto arranjam um cômodo, — e logo com aquele gênio que o marido tem tão difícil de acomodar, imagine. Mas vida de pobre é assim mesmo não é? E ambas fraternalmente concordam em que vida de pobre é assim mesmo.

De onde se conclui que os ricos e bem-educados cada vez se afastam mais de Deus e dos seus mandamentos, enquanto os pobres, em razão mesmo da sua pobreza, são irresistivelmente arrastados ao bom cumprimento da doutrina cristã. E aí temos mais uma virtude da pobreza, afora todas as outras antes preconizadas por sábios e doutores.

Ainda outro dia um grande escritor e grande católico declarou em entrevista de jornal que não gosta dos vizinhos. Terá esse homem pensado em quão aberrantemente anticristão se mostrou, e no escândalo que deu com tal palavra? Decerto não. Pois é claro que ele jamais se deteve a verificar que o nosso vizinho é exatamente o nosso próximo, aquele a quem, segundo a lei, “devemos amar como a nós mesmos”.

[prop_publishingPrinciples] => [prop_sameAs] => [relations] => Array ( [ImageObject] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Organization] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Periodical] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Person] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Place] => Array ( [contents] => 1 [relations] => 1 ) [Thing] => Array ( [contents] => 2 [relations] => 2 ) ) ) [dateBegin] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 66424 [content_id] => 9223 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => dateBegin [label] => 1949-09-10 ) ) [datePublished] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 66423 [content_id] => 9223 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => datePublished [label] => 10 set. 1949 ) ) [name] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 66422 [content_id] => 9223 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => name [label] => Vizinhos ) ) [text] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 82498 [content_id] => 9223 [type_id] => Text [language_id] => pt [property_id] => text [label] =>

Uma das máximas básicas da boa educação e das boas maneiras decreta que jamais se dirija a palavra a um desconhecido, que se ignore tanto quanto possível a existência dos vizinhos, e se funcione exclusivamente dentro da roda oficialmente reconhecida de parentes e amigos, tal como um peru dentro do seu círculo de giz. A mais sublime prova de distinção que pode dar de si mesmo um imbecil mortal é declarar que reside há dez ou vinte anos no mesmo apartamento e desconhece até mesmo o sobrenome do casal que mora em frente ou o da velhota que mora ao lado. Quantas vezes já temos ouvido alguém a gabar-se de tal feito ― e em geral é mentira, pois a verdade é que somos muito menos ruins do que aparentamos, e a humana curiosidade já fez com que a criatura em questão indagasse direitinho não só do nome e do sobrenome de todos os vizinhos, como da sua história íntima e das suas relações domésticas. Isso porém faz-se em segredo, pois nada é tão maravilhosamente bem quanto mostrar-se uma pessoa aloof, solitária e inacessível.

E não é curioso que uma civilização que se afirma cristã, como a nossa, e cuja base social deveria ser o “amai-vos uns aos outros”, chegue a estimar como virtude excelente essa aberração de egocentrismo?

Vivia o homem primitivo sozinho na sua caverna até que arranjou companheira e que lhe nasceram os filhos. Crescida a família, com pouco já está ele incorporado a uma aldeia. Da aldeia passa à vila, da vila à pequena cidade, da pequena cidade à cidade grande e desta à metrópole moderna de mais de um milhão de habitantes. Uma vez porém chegado à metrópole, depois de atingir esse delírio de gregarismo representado por Londres ou Nova Iorque, então o homem se assusta e recua e passa a temer e aparentemente a odiar o seu irmão e igual, com o qual se acotovela de segundo em segundo, na rua, no bonde, no cinema e no trabalho; e o seu maior cuidado consiste em conseguir viver dentro de um agrupamento de vários milhões de almas, mas tão fechado, tão silencioso, tão isolado no seu apartamento quanto antes o estivera na caverna primitiva (com a qual, incontestavelmente o dito apartamento tem vários pontos de semelhança, pelo menos no tamanho e na incomodidade).

E por que será que o homem civilizado aceita cegamente esse estúpido preconceito, tão divorciado do seu instinto natural e tão contrário aos preceitos da sua moral religiosa? Decerto pelo mesmo motivo que o faz envergar para um baile de verão, com 40º de calor à noite, um casaco de lã preta e um colarinho engomado. Ou construir nesta latitude uma casa de estilo escandinavo, com telhado de cortar neve e paredes inteiras de vidro. Por instinto de imitação, pelo desejo de conformar-se ao que se consideram os padrões do bom gosto e da suprema civilização e — justiça se faça —levado por seu obscuro amor ao belo, ao excelente e ao perfeito, que é uma das molas mais atuantes do procedimento humano e que não deixa de ser louvável na intenção, mesmo quando não resulta louvável na prática.

As classes pobres, que não obedecem a padrões tão severos de procedimento social, já vivem de maneira muito mais humana e cristã. Entre gente pobre o próximo é realmente o nosso próximo, não só idealmente, como material e geograficamente, e tanto o é para o mal, como para o bem. Quer dizer que pobres se ajudam ou se guerreiam entre si, como se pertencessem todos a uma única família, e a verdade é que a promiscuidade da vida quase em comum os transforma praticamente numa família única. De uma casa para outra contam-se histórias, empresta-se um ovo ou um cobertor, acode-se a um doente, vigiam-se intimidades. Mal vai chegando a mudança de um vizinho novo, já o morador antigo está ajudando a descarregar os trastes da carroça, e o pó do primeiro café que se faz em casa do recém-chegado em rigor é emprestado pela vizinha prestimosa.

Veja-se um trem: ande-se no carro de primeira classe e depois no de segunda. No de primeira vai aquela turma enjaulada ali dentro por doze, quinze horas, cada um metido consigo, boca fechada, prodigiosamente chateado, consultando o relógio de minuto em minuto, folheando o livro ou o jornal, fazendo o máximo esforço possível (e a intensidade desse esforço é proporcional ao seu grau de educação) para não roçar sequer com a manga do paletó, durante a viagem toda, no braço do seu vizinho de banco.

Vá-se agora ao carro de segunda: primeiro nele sempre viajam mais crianças — onde há pobres há crianças em abundância, não se sabe bem por que. Logo as crianças confraternizam, e antes da hora do almoço as senhoras já estão trocando umas com as outras confidências, sanduíches, coxas de galinha, já explicaram o motivo da viagem, porque se deram mal no Braz ou em Nilópolis, que a mãe velha está doente, que não sabem como vão se apertar na casa da irmã enquanto arranjam um cômodo, — e logo com aquele gênio que o marido tem tão difícil de acomodar, imagine. Mas vida de pobre é assim mesmo não é? E ambas fraternalmente concordam em que vida de pobre é assim mesmo.

De onde se conclui que os ricos e bem-educados cada vez se afastam mais de Deus e dos seus mandamentos, enquanto os pobres, em razão mesmo da sua pobreza, são irresistivelmente arrastados ao bom cumprimento da doutrina cristã. E aí temos mais uma virtude da pobreza, afora todas as outras antes preconizadas por sábios e doutores.

Ainda outro dia um grande escritor e grande católico declarou em entrevista de jornal que não gosta dos vizinhos. Terá esse homem pensado em quão aberrantemente anticristão se mostrou, e no escândalo que deu com tal palavra? Decerto não. Pois é claro que ele jamais se deteve a verificar que o nosso vizinho é exatamente o nosso próximo, aquele a quem, segundo a lei, “devemos amar como a nós mesmos”.

) ) [identifier] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 66421 [content_id] => 9223 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => identifier [label] => 051444 ) ) [textSearch] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 66425 [content_id] => 9223 [type_id] => CreativeWork [language_id] => pt [property_id] => textSearch [label] => VIZ UMA das máximas básicas da boa educação e das boas maneiras decreta que jamais se dirija a palavra a um desconhecido, que se ignore tanto quanto possível a existência dos vizinhos, e se funcione exclusivamente dentro da roda oíicialmente reconhecida de parentes e amigos, tal como um peru dentro do seu círculo de giz. A mais sublime prova de distinção que pode dar de si mesmo um imbecil mortal é declarar que reside há dez ou vinte anos no mesmo apartamento e desconhece até mesmo, o sobrenome do casal que mora era frente ou o da velhota que mora ao lado. Quantas vêzes já temos ouvido alguém a gabar-se de tal feito — • em geral é mentira, pois a verdade é que somos muito menos ruins do que aparentamos, e a humana curiosidade já fêz cora que a criatura em questão indagasse direitinho não só do nome e do sobrenome de todos os vizinhos, como da sua história íntima e dás suas relações domésticas. Isso porém faz-se em segrêdo, pois nada é tão maravilhosamente «bem» quanto mostrar-se uma pessoa aloof, solitária e inacessível. E não e curioso que uma civilização que se afirma cristã* como a nossa, e cuja base social deveria sor o «amai-vos uns aos outros”, ehegue a estimar como virtude excelente essa aberração de egocentrismo? Vivia o. homèra primitivo sozinho na sua^ caverna até que arranjou corRpanheira e que lhe nasceram os filhos. Crescida a famlia, com poufco já éstá êle incorporado a uma aldeia. Da aldeia passa à vila, da vila à pequena cidade, da pequena cidade à cidade grande e desta à metrópole moderna de mais de um milnão de habitantes. Uma vez porém chegado à metrópole. depois de atingir êsse delírio de gregaris-mo representado por Londres ou New York, então o nomein.' se assusta e recua e passa a temer e aparentemente a odiar o seu irmão e igual, com o qual se acotovela de segundo cm segundo, na rua, no bonde, no cinema e no trabalho; e o seu maior cuidado consiste em conseguir viver dentro de um agrupamneto de vários milhões de almas, mas tão fechado, tão silencioso, tão isolado no seu apartamento quanto antes o estivera na caverna primitiva (com a qual, ínconiestàveímente o dito apartamento tem vários pontos de semelhança, pelo menos no tamanho e na incomodidade). E por que será que o homem civilizado aceita cegamentc êsse estúpido preconceito, tão divorciado do seu instinto natural e tão contrário aos preceitos da sua moral religiosa? Decerto pelo mesmo motivo que o faz envergar para um baile de verão, com 40° de calor à noite, um casaco de lã preta e um colarinho .engomado. Ou construir nesta latitude uma casa de estilo escandinavo, com telhado de cortar neve e paredes inteiras de vidro. Por instinto de imitação, pelo desejo de conformar-se ao que se consideram os padrões do bom gôsto e da suprema civilização e :— justiça se faça — levado por seu obscuro amor ao belo, ao excelente e ao perfeito, que é uma das molas mais atuantes do procedimento humano e que não deixa de ser louvável ft« Intenção, mesmo quando não resulta louvável na prática. As classes pobres, que não obedeceu/ a padrões tão severos de procedimento social, já vivem de maneira muito mais humana e cristã. Entre gente pobre o próximo é realmente o nosso próximo, não só idealmente, como mataria! e geogràficamente, e tanto o é para o mal, como para o hem. Quer dizer que pobres se ajudam ou se guerreiam entre si, como se pertencessem todos a uma única família, e a verdade é que a promiscuidade da vida quase em comum os transforma pràticamente numa família única. De uma casa para outra contam-se histórias, empresta-se um ôvo ou um cobertor, acode-se a um doente, vigiam-se intimidades. Mal vai chegando a mudança de um vizinho novo, já o morador antigo está ajudando a descarregar os trastes da carroça, e o pó. do primeiro café que se faz em casa do recém-chegado em rigor é emprestado pela vizinha prestimosa; Veja-se um trem: ande-se no carro de primeira classe e depois no de segunda. No de primeira vai aquela turma enjaulada ali dentro por doze, quinze horas, cada um metido consigo, bôca fechada, prodigiosamente chateado, consultando o relógio de minuto em minuto, folheando o livro ou ó jornal, fazendo o máximo esforço possível (e a ihténsidade dêsse esforço é proporcionai ao seu grau de educação) para não roçar sequer Com a manga dó paletó, durante a viagem tôda, no ‘braço do seu vizinho de banco. Vá-se agora ao carro, de segunda: primeiro nèle sempre viajam mais crianças"^— onde há pobres há crianças em abundância, não se sabe bem por que. Logo as crianças confra-ternizam' e antes da hora do almoço as senhoras já estão trocando umas com as outras confidências, sanduíches, coxas de galinha, já explicaram o motivo da viagem, porque se deram mal no Braz on em Nilópolis, que a mãe velha esta doente, que não sabem como vão se apertar na casa da irmã enquanto arranjam um cômodo, — e logo com aquêle gênio que o marido tem ião difícil de acomodar, imagine. Mas vida de pobre é assim mesmo não é? E ambas fraternalmente concordam em que vida de pobre é assim mesmo. De onde se conclui que os ricos e bem educados cada vez se afastam mais de Deus e dos seus mandamentos, enquanto os pobres, em razão mesmo da suá pobreza, são irresistivelmente arrastados ao bom cumprimento da doutrina cristã. E aí temos mais uma virtude da pobreza, afora tôdas as outras antes preconizadas por sábios e doutores. Ainda oirtro dia um grande escritor e grande católico declarou em entrevista de jornal que não gosta dos vizinhos. Terá êsse honrem pensado em quão aberrantemente anticristão se mostrou, -e no escândalo que deu com tal palavra? Decerto não. Pois é claro que êle jamais se deteve a verificar que o nosso-vizinho é exatamente o nosso próximo, aq; êle .1 pem, segundo a lei, «devemos amar como a nós inefr-mos». ) ) [dateScheduled] => Array ( [0] => Array ( [properties_id] => 82931 [content_id] => 9223 [type_id] => Date [language_id] => pt [property_id] => dateScheduled [label] => 2019-09-10 ) ) [author] => Array ( [Person] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 28848 [content_id] => 8262 [property_id] => author [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Person [content_creator] => 1 [label] => Rachel de Queiroz [name] => Rachel de Queiroz [slug] => rachel-de-queiroz [image] => 2018-08-13/2818221ed2281d5b2a9f8974ecdab521[800x800].jpg ) ) ) [relatedTo] => Array ( [Thing] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 37062 [content_id] => 5765 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Costumes [name] => Costumes [slug] => costumes [image] => ) [1] => Array ( [relation_id] => 37061 [content_id] => 5693 [property_id] => [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 9457 [direction] => 0 [type_id] => Thing [content_creator] => 1 [label] => Vida [name] => Vida [slug] => vida [image] => ) ) [ImageObject] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 28850 [content_id] => 9224 [property_id] => relatedTo [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => 1 [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => ImageObject [content_creator] => 1 [contentUrl] => 2018-07-12/bdf9338dd4c78120c9866cadad03e84b.jpg [width] => 2500 [height] => 4740 [label] => 051444.jpg [name] => 051444.jpg [slug] => 051444jpg [image] => 2018-07-12/931767231fc7acb9659d2edaf7f805fc.jpg ) ) [Periodical] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 28849 [content_id] => 8263 [property_id] => isPartOf [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Periodical [content_creator] => 1 [label] => O Cruzeiro [name] => O Cruzeiro [slug] => o-cruzeiro [image] => ) ) ) [locationCreated] => Array ( [Place] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 28847 [content_id] => 5817 [property_id] => locationCreated [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Place [content_creator] => 1 [label] => Rio de Janeiro - RJ [name] => Rio de Janeiro - RJ [slug] => rio-de-janeiro-rj [image] => ) ) ) [sourceOrganization] => Array ( [Organization] => Array ( [0] => Array ( [relation_id] => 28846 [content_id] => 5809 [property_id] => sourceOrganization [inpoint] => [outpoint] => [position] => [order] => [creator] => 1 [direction] => 0 [type_id] => Organization [content_creator] => 1 [label] => Instituto Moreira Salles [name] => Instituto Moreira Salles [slug] => instituto-moreira-salles [image] => ) ) ) )